Coronel ensinou tortura no RS

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • Mudança de hábito abala gigantes dos alimentos. Procura por comida saudável reduz receita

    LER MAIS
  • Revolução tecnológica exige novo Estado social, escreve professora

    LER MAIS
  • Hikikomori, está crescendo: milhares de jovens em autorreclusão em casa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Março 2014

O coronel reformado que estarreceu o país na terça-feira, ao revelar à Comissão Nacional da Verdade que matou, desfigurou e ocultou cadáveres de presos políticos durante a ditadura militar, ensinou técnicas de tortura a repressores gaúchos.

A reportagem é de Nilson Mariano, publicada no jornal Zero Hora, 28-03-2014.

Agente do Centro de Informações do Exército (CIE), Paulo Malhães chegou a Porto Alegre em abril de 1970. Missão: eliminar grupos guerrilheiros que conflagravam o Estado.

Malhães e o sargento Clodoaldo Cabral foram enviados porque o Departamento de Ordem Política e Social (Dops) não conseguia neutralizar a guerrilha. À meia-noite de 4 de abril de 1970, membros da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) tentaram sequestrar o cônsul dos Estados Unidos em Porto Alegre, Curtis Carly Cutter. O americano escapou, ferido com um tiro no braço, mas o episódio acionou o sinal de alerta no CIE.

O advogado Índio Vargas, ex-preso político, divide a repressão gaúcha em antes e depois de Malhães. Na primeira fase, os interrogadores abusavam das porretadas e do pau de arara (a vítima era pendurada num travessão, pelos joelhos e braços flexionados, de cabeça para baixo, como se estivesse de cócoras), mas eram obtusos ao extrair informações. Aprenderam a potencializar a dor com o professor Malhães.

– Ele era duro, técnico, veio para fazer e para ensinar – diz Vargas, hoje com 78 anos.

Ex-vereador pelo antigo PTB de Leonel Brizola, o próprio Vargas diz ter sido torturado por Malhães no Dops – na atual sede do Palácio da Polícia, em Porto Alegre. Antes de sofrer choques elétricos até nos testículos, o oficial de estatura média e sotaque carioca o advertiu, sentado à frente:

– Isto aqui não é Câmara de Vereadores. Você deve saber que está aqui para prestar informações.

A tentativa de capturar o cônsul fustigara a parte sensível do regime implantado em 1964, a Doutrina de Segurança Nacional (DSN), avalizada justamente pelos EUA. O comandante da operação de sequestro, que prefere não se identificar por razões familiares, foi torturado depois de ser preso. Quando suas orelhas foram conectadas a fios condutores de energia, Cabral, o escudeiro de Malhães, anunciou o horror que viria:

– Você é um cara inteligente, deve saber de eletrólise, vamos transformar você numa passa de uva.

Um especialista na solução final

O guerrilheiro foi levado ao lugar batizado de “A Fossa”, uma sala do Dops com os aparelhos de suplício e revestimento acústico nas paredes, para abafar os gritos dos torturados. Seria o equivalente à Casa da Morte, no Rio de Janeiro, onde Malhães executava prisioneiros. Aos 71 anos, o militante gaúcho lembra que os choques elétricos partiam das orelhas e corriam pelas sobrancelhas, como se rasgassem o cérebro.

Não apenas o malogrado sequestro incomodava a ditadura a ponto de mobilizar dois especialistas em “solução final” – matar e esconder o corpo. Naquele abril de 1970, bancos na região metropolitana de Porto Alegre estavam sendo assaltados, nas chamadas “expropriações” para financiar a guerrilha. Um dos envolvidos, Paulo de Tarso Carneiro, deparou com Malhães quando foi detido.

– Ele dizia que era homem de confiança do Médici (general Emílio Garrastazu Médici, que governou o país de 1969 a 1974) – recorda Paulo de Tarso, 71 anos, ex-VAR-Palmares.

Num dos interrogatórios, Paulo de Tarso ouviu Malhães comentar que já estava havia 42 dias em Porto Alegre, torturando “esse bando de comunistas”. Usava óculos escuros, mas não cobria o rosto. Apreciava martirizar três ou quatro ao mesmo tempo, o que denominava “dança de São Guido” – ritual macabro da Idade Média.

– Fazia fila para torturar, não tinha pudor – conta o ativista.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Coronel ensinou tortura no RS - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV