O primeiro ano do Papa Francisco. Entrevista com John L. Allen Jr.

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Março 2014

Há um ano, a Igreja Católica escolhia um novo papa. O cardeal Jorge Mario Bergolio inaugurou uma nova era surpreendente para a Igreja – uma era que ele introduziu ao escolher o seu nome papal, um de seus primeiros atos como pontífice. Ele escolheu Francisco, em honra ao santo italiano medieval dedicado à humildade e aos pobres.

A reportagem é da Rádio Boston, 25-03-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Mais mudanças estavam por vir. Na Quinta-feira Santa do ano passado, o Papa Francisco lavou os pés de 12 jovens detidos, incluindo duas mulheres e dois muçulmanos. Ele fez um selfie [autorretrato]. Ele se declarou como alguém não "de direita". E disse que, se alguém é gay e busca ao Senhor e tem boa vontade, "quem sou eu para julgar?".

A mudança radical no tom e no estilo fez de Francisco um papa surpreendentemente popular. Mas, no fim, a balança pendem mais para o simbolismo ou para a substância? E o que o primeiro ano do Papa Francisco significa para o futuro da Igreja Católica – uma instituição em si mesma não propensa a mudanças radicais e repentinas?

Sobre isso, entrevistamos John Allen Jr., autor de nove livros sobre a Igreja Católica e editor associado do jornal The Boston Globe.

Eis trechos da entrevista concedida à Rádio Boston.

Sobre a eleição do papa Francisco:

Para ser honesto com você minha primeira reação foi de frustração, porque eu estava em um estúdio da CNN tentando contar essa história para o mundo e, quando o cardeal – o cardeal Jean Louis Tauran – saiu para fazer o que chamamos de anúncio Habemus papam – isto é, o anúncio do novo nome do papa –, nós ficamos sem áudio. Então, eu vi os lábios do cardeal em movimento, mas não tinha ideia de que nome ele estava nos dizendo. Assim, por 30 segundos de agonia, eu estava desesperadamente tentando descobrir quem era realmente o próximo papa. Felizmente, havia uma equipe da TV mexicana atrás de nós que estava gritando "Bergolio! Bergolio!". Então, eu tive uma ideia da situação.

Depois disso, para ser honesto com você, eu fiquei chocado com a escolha do nome. É preciso lembrar que a primeira decisão que qualquer papa sempre faz é o que o nome pelo qual será chamado. A forma pela qual isso funciona, dentro do conclave, é que, assim que um candidato ultrapassa o mágico limiar dos dois terços, o cardeal mais idoso vai abordá-lo e dizer-lhe: "Você aceita a sua eleição como Sumo Pontífice?". No momento em que ele disser que sim, ele é o papa. A próxima pergunta é: "Por qual nome você quer ser conhecido?". Por isso, essa é, por definição, a primeira escolha que ele faz.

E vou ser honesto com você, eu entrevistei historiadores da Igreja ao longo dos anos que disseram que nunca poderia haver um papa Francisco, pelas mesmas razões que nunca poderia haver um Papa Jesus ou um Papa Pedro, que eram figuras singulares e irrepetíveis na vida da Igreja. Mas, mais do que isso, para ser honesto, eu fiquei espantado com a ousadia dele. Porque o nome Francisco é todo um programa de governo em miniatura. Essa figura icônica no imaginário católico que desperta essas imagens da antítese da Igreja institucional – ou seja, a liderança carismática. Perto da terra, perto dos pobres, simplicidade, humildade. Esse é uma enorme quantidade de peso para você colocar sobre os seus ombros logo na saída do portão. Se você não estiver preparado para colocar suas palavras em prática, então você vai estar em apuros de verdade. Francisco, no entanto, durante o seu primeiro ano, de forma convincente, colocou suas palavras em prática.

Sobre a adequação de Francisco para o mundo moderno:

Eu acho que uma das coisas marcantes é que não é como se o Papa Francisco fosse o primeiro papa popular. Quero dizer, eu acompanhei João Paulo II em todo o mundo. Eu estive com ele no México, quando ele teve multidões em torno de 7 milhões de pessoas ao seu redor. Eu estive com ele em Manila, nas Filipinas, quando ele teve 5 milhões. Eu estive na missa do seu funeral em 2005, quando mais de 5 milhões apareceram. E Bento XVI, à sua maneira, em termos de alguém interno ao mundo católico, certamente tem seguidores. Eu acho que o que é único em relação a Francisco é que, no mínimo, ele é ao menos tão popular e potencialmente ainda mais popular fora da Igreja do que dentro dela. Quero dizer, ele é uma figura que parece ideal para se engajar neste mundo secular pós-moderno que não fala mais a linguagem religiosa e tem dificuldade para engolir conceitos religiosos. Ele usa esse tipo de linguagem e, por causa das percepções sobre a sua integridade pessoal, ele carrega uma espécie de autoridade moral que, de algum modo, lhe permite transcender esses limites e se tornar um parceiro de diálogo credível para o mundo inteiro.

Sobre a crítica de que este primeiro ano foi mais sobre o estilo do que sobre a substância:

Depende de como você define substância. Se por substância você se refere a mudar a doutrina da Igreja Católica, então é uma crítica perfeitamente acurada, porque o papa não mudou uma única vírgula do Catecismo da Igreja Católica, que é o seu código oficial de ensino. E, sobre os temas quentes que tendem a estimular a mente ocidental – coisas como sacerdotisas ou aborto, casamento gay, contracepção –, ele deixou claro várias vezes que não vai fazer quaisquer alterações.

Mas eu acho que o ponto é que você pode mudar a Igreja Católica profundamente sem mudar o seu ensino oficial. De um lado, ele criou muito mais espaço para a aplicação pastoral flexível da doutrina – isto é, traduzindo aquele ensino oficial em prática no nível de varejo, nas paróquias e assim por diante. A outra coisa que ele fez foi empurrar a Igreja, chutando e gritando, na direção da verdadeira mudança estrutural em questões como transparência, responsabilização e aquilo que se pode chamar de bom governo.

Ele acabou de criar uma estrutura de finanças inteiramente nova no Vaticano, nomeou um cardeal duro como pedra para geri-la, alguém que tem a mente de um teólogo e os instintos de um zagueiro. Esse homem é basicamente um Brian Urlacher [jogador de futebol americano] de batina, certo? E ele vai pressionar por mudanças significativas. E tudo isso pode não ter o sex appeal de convidar três sem-teto para o café da manhã, mas, vou lhe dizer, não há nenhuma forma para quebrar o domínio da velha guarda no Vaticano de forma mais profunda do que tirando o seu poder e, com efeito, foi isso que Francisco fez. Então, se a sua definição de substância é mudar o ensino da Igreja, então não, não houve mudança substantiva. Se você entende que há um caminhão de formas para engendrar mudanças estruturais na Igreja Católica sem mudar o ensino, então sim. Esse é um agente de mudança estrutural historicamente significativo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O primeiro ano do Papa Francisco. Entrevista com John L. Allen Jr. - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV