Golpe de 1964. Desmemórias

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Março 2014

Agora, nos 50 anos de golpe militar de 1964, "preferi a posição de leitor/ouvinte. As montagens picotadas do que se diz, entremeadas das falas de outros, predominam aqui com uma ligeireza que embaralha o relato factual ou impede a exposição de uma linha de pensamento", escreve Janio de Freitas, jornalista, em comentário publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, 16-03-2014.

Eis o texto.

Minha geração e suas vizinhas, de baixo e de cima, têm dado provas agudas de falta de memória histórica. Os 50 anos do golpe de 64 solicitam de suas restantes testemunhas o que, pelo já visto a outros propósitos, tais gerações parecem não dispor no volume e na qualidade devidos, senão obrigatórios.

Mas, com pesar pela má palavra, a efeméride provoca um agravamento que assombra: às torções de memória, em uns, junta-se o não sei o quê de inúmeros historiadores, cientistas políticos, antropólogos e outros. O resultado, pelo que li e ouvi em parte de mesas redondas, é uma ininteligível balbúrdia de ficção, imprecisões e, se há acadêmicos, presunção.

Vivi e convivi intensamente aqueles anos, talvez moço demais para viver por dentro muitas das situações extraordinárias, até por dirigir um jornal da importância incomparável do "Correio da Manhã" então. Quando do golpe, estava montando, já bem adiantado, um novo e inovador jornal, cujo acionista majoritário era Mario Wallace Simonsen, dono da TV Excelsior que revirou a TV no Brasil e coproprietário da grande Panair, usurpada por uma transa de militares e golpistas civis, e dividida entre a Varig e a própria FAB. Contra muitas opiniões, inclusive a de Simonsen, sustei de imediato a montagem do jornal, convencido de que os militares, daquela vez, vinham para dominar por bastante tempo e a qualquer custo. Muitas de nossas vidas se puseram de cabeça para baixo.

Agora, nos 50 anos, preferi a posição de leitor/ouvinte. As montagens picotadas do que se diz, entremeadas das falas de outros, predominam aqui com uma ligeireza que embaralha o relato factual ou impede a exposição de uma linha de pensamento. Escrever neste espaço (há também um livrinho em estado fetal) seria lógico, não fora o fato de que a ocasião estimula uma profusão de articulistas e a discussão agressiva, em vez do debate, vem a ser inevitável. Estou sem oxigênio para esse clima.

Pode ser difícil esperar que a onda passe para tentar uma contribuição contra o mais impróprio. Já nestes dias, uma tal "guinada de Jango com o comício do dia 13", em texto baseado no trabalho de um professor/historiador, deforma os fatos históricos. O comício foi um ato a mais no processo que se desenvolveu sem guinada alguma de Jango e de suas forças sindicais e partidárias. Se não se entender os processos retilíneos e paralelos, nada se entenderá da formação e da execução do golpe. E da sua instituição como poder.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Golpe de 1964. Desmemórias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV