Superávit primário: riqueza drenada para os bancos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Março 2014

A notícia abaixo não é para comemorar, mas para lamentar. O superávit primário é uma herança maldita do governoFHC, que garante o pagamento da dívida brasileira, independente das necessidades do povo brasileiro.

O comentário é de Rodrigo Vianna, publicada no blog Escrivinhador, publicado por Carta Capital, 09-03-2014.

Assim, quanto maior o superávit primário, maior a remessa de recursos – pagos por meio dos impostos de cada brasileiro e brasileira – para os portadores de títulos da dívida pública. A maioria está nas mãos dos banqueiros. Neste ano 30% do orçamento será destinado para 20 mil famílias.

Superávit primário brasileiro é um dos cinco maiores do mundo

A reportagem é de Carlos Drummind, publicado pela revista Carta Capital, 07-03-2014.

Ao contrário do que propala a maior parte das instituições financeiras e a grande mídia, o superávit primário brasileiro não é baixo. Comparado aos principais países da América Latina e aos do G20, está entre os cinco mais elevados, desde 2010, segundo levantamento feito pelo economista Daniel Keller deAlmeida, sócio da Creta/Nobel Planejamento.

O superávit primário brasileiro é o mais alto da amostra no ano de 2010 (ler quadro abaixo). Em 2011, só é inferior ao da ArábiaSaudita. Em 2012, é o quinto maior e em 2013, o terceiro mais elevado.

“O Brasil apresenta uma grande constância deste resultado. É o único país, além da ArábiaSaudita, que mantém, ao longo de toda a série, um primário positivo e superior a 1% do PIB”, diz KellerdeAlmeida.

O economista destaca que a combinação de superávit primário elevado com taxa de juros muito altas — as do Brasil são as maiores do mundo — resulta em um impacto negativo sobre o crescimento do PIB.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Superávit primário: riqueza drenada para os bancos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV