Um documento secreto, exclusivo e extraordinário: o discurso do cardeal Kasper no consistório

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • O ameaçador papa de Sorrentino

    LER MAIS
  • As religiões morrem, mas o catolicismo sobreviverá: menos europeu e mais global

    LER MAIS
  • As "últimas conversas" de Ratzinger: do "gosto pela contradição" ao "prazer do encontro". Artigo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

02 Março 2014

Um documento secreto, exclusivo e extraordinário que o jornal Il Foglio publica nesse sábado em quatro páginas. Trata-se da palestra proferida pelo teólogo preferido do papa, o cardeal Walter Kasper, a pedido do pontífice, por ocasião do consistório extraordinário recém-concluído, definida como ouverture, em vista do Sínodo sobre a família de outubro.

A reportagem é do jornal Il Foglio, 01-03-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O documento aborda um dos temas mais discutidos na Igreja: o da família e, especificamente, a questão da readmissão aos sacramentos dos divorciados em segunda união.

Três páginas cheias sobre sacramentos, matrimônio, divórcio, eucaristia, gênero, justiça, pecado, penitência, tolerância e indulgência. Nas palavras de Kasper, nota-se a busca de soluções não rigoristas e mais misericordiosas para com aqueles que, divorciados, escolheu se casar novamente. Uma palestra que criou muitos maus humores entre os purpurados presentes no consistório.

Há já algumas semanas, os eminentíssimos haviam estado em doutas disputas teológicas: o coordenador da consulta chamada para reformar a Cúria Romana, o cardeal Oscar Maradiaga, convidava a olhar com atenção para as "questões inéditas" não abordadas pela exortação Familiaris consortio de João Paulo II. O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal Gerhard Ludwig Müller está no fronte oposto.

Apenas alguns dias atrás, interpelado sobre a questão, ele reiterou que "está em jogo o matrimônio como instituição divina" e que, "se o matrimônio é indissolúvel, não pode ser dissolvido". Sobre isso, acrescentava, "a doutrina católica é clara".

O documento exclusivo publicado pelo Il Foglio é acompanhado por um comentário do historiador Roberto de Mattei, que, em aberta polêmica com as palavras de Kasper, lembra que não se "pode apagar história e doutrina com uma clamorosa revolução cultural e de práxis".

A íntegra da conferência pode ser lida, em português, aqui.