O jogo do toma lá e dá cá da política

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Sínodo da Amazônia revela sagacidade política do papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 27 Fevereiro 2014

"Precisamos mudar a direção de um desenvolvimento que transforma as nossas cidades em espaço para carros mais do que para a cidadania. Precisamos voltar a comer comida boa e gostosa e não os venenos do agronegócio. Mas, como fazer isto com as alianças que se costuram para ganhar e manter o poder a todo custo? E ainda com uma mídia que nos desvirtua ao invés de informar?". O comentário é de Cândido Grzybowski, sociólogo, em artigo  publicado no Canal Ibase, 25-02-2014.

"Comecemos por negar tal legitimidade às regras do patrimonialismo político, dos donos do poder, do silêncio da mídia diante das negociatas do poder e das corporações, da falta de debate das questões que interessam, como segurança, transporte, saúde, educação, entre tantos outros direitos negados", propõe o sociólogo.

E pergunta: "Até quando vamos aguentar em silêncio? E agora querem controlar o que nos resta, o direito de protestar nas ruas e praças…"

Eis o artigo.

O patrimonialismo é a certidão de nascimento do Brasil desde a conquista, colonização e escravidão. A serviço de uma economia e de uma organização social voltada para o mercado e a acumulação mundial, o poder político foi sempre, ele mesmo, uma espécie de negócio controlado pelos interesses privados dos poderosos “donos de gado e gente”. Mesmo com um sociedade mais complexa, até hoje é o patrimonialismo que dita as regras do jogo político, organizacional e jurídico do país. Apesar de uma sociedade civil ampliada, com movimentos sociais e organizações que, com o tecido social ramificado e fortalecido, criam “trincheiras” de resistência cidadã, e apesar dos avanços da Constituição democrática de 1988, o Estado e o poder ainda não foram transformados para servir à democracia e à plenitude da cidadania entre nós.

No contexto eleitoral que estamos entrando, não poderia haver espetáculo mais desligitimador da representação política do que a ação de nossos políticos eleitos pelo voto popular. Isto ao nível local, municipal, ao poder federal, passando pelos Estados. Olhar para a política é ver o descarado jogo do toma lá, dá cá. São as tais regras do jogo político que, por pragmatismo, todos se submetem. Custura de alianças? Que alianças? Para implementar que programa de governos, que leis?

Em todos os Estados e no Governo Federal a hora é de mudanças… para tudo ficar igual. Afinal, o que importa não é a democratização mais substantiva e a ampliação de direitos. O que conta é a perspectiva de manutenção ou de conquista do poder em outubro próximo. Aí é um verdadeiro festival patrimonialista a descoberto. Vejam o diálogo de bastidores – afinal, uma tal política não pode aguentar a transparência –: “Você, dono da legenda tal – ela mesma de um oportunismo nada programático ou ideológico – toma esta secretaria ou este ministério, com tal orçamento (aspecto essencial), nomeia uma penca dos seus e… compõem o palanque dos meus. Ganharemos apoios nas gananciosas corporações, especialmente construtoras, minutos para a propaganda eleitoral e pronto, a eleição é nossa! Depois a gente divide o “botim” do poder, numa composição governamental ampla, com criação de novas secretarias e ministérios, se necessário for, para acomodar todos amigos”… patrimonialistas!

Será que isto pode ser visto com alguma semelhança de democracia efetiva? Será que política democrática precisa ser assim? Não! Definitivamente Não! Mas é assim e só nós podemos mudar tal situação, com o exercício do poder cidadão. Desde agora, nós, eleitores do Rio, devemos nos organizar e tirar da política tanto o homofóbico Bolsonaro, como o ganancioso Cunha, com poder de veto como líder do PMDB. Mas devemos fazer uma campanha nacional contra a “Bancada do Agronegócio”, o lobby mais corporativo e, talvez, o mais influente do Congresso, pelo seu poder patrimonialista. Estou só lembrando os mais evidentes. Será que em nome da diversidade e da livre expressão – que para todos estes é um quase não direito – precisamos aguentar o poder de tais personagens e grupos?

O que mais me angustia nesta conjuntura em que as eleições se avizinham é a ausência de um debate a respeito na nossa mídia. Estamos sendo bombardeados por questões que nos distraem, ao invés de nos fazer pensar como ampliar os espaços de liberdade e de participação, na diversidade do que somos. Precisamos ver as causas por trás das instituições que não funcionam. Por exemplo, UPPs podem ser avanços, sem dúvida, mas a própria polícia deve mudar, pois enquanto acharmos que o problema de segurança é proteger a cidade das favelas, estamos na direção de reforçar o patrimonialismo e a privatização do público pela cidade hegemônica excludente e não de mudanças democráticas substantivas para direitos de cidadania – entre eles o direito civil a igual de segurança de todas e todos, sem distinção.

Precisamos mudar a direção de um desenvolvimento que transforma as nossas cidades em espaço para carros mais do que para a cidadania. Precisamos voltar a comer comida boa e gostosa e não os venenos do agronegócio. Mas, como fazer isto com as alianças que se costuram para ganhar e manter o poder a todo custo? E ainda com uma mídia que nos desvirtua ao invés de informar?

O que mais lamento é a absoluta rendição de toda política institucional representativa que temos, quase em distinção, às tais regras do jogo político. Democracia precisa ser assim? A política e a participação cidadã precisam aceitar tais regras como inevitáveis? Comecemos por negar tal legitimidade às regras do patrimonialismo político, dos donos do poder, do silêncio da mídia diante das negociatas do poder e das corporações, da falta de debate das questões que interessam, como segurança, transporte, saúde, educação, entre tantos outros direitos negados. Até quando vamos aguentar em silêncio? E agora querem controlar o que nos resta, o direito de protestar nas ruas e praças… Mesmo com o risco de ser atropelados por carros de enlouquecidos ou, até, espancados por polícias mal preparadas ou Black Blocs violentos, ou, ainda pior, por milícias que se atribuem o poder de exercer justiça pelas próprias mãos.

Façamos a hora e a vez da cidadania enquanto é tempo. Chega deste toma lá e dá cá da política!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O jogo do toma lá e dá cá da política - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV