Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Discriminação contra a mulher é um obstáculo para o desenvolvimento, segundo relatório da ONU

Vinte anos após a Conferência Internacional sobre a População e o Desenvolvimento, no Cairo, a ONU soa o alerta: se os países não redobrarem os esforços a favor das mulheres e das adolescentes, vítimas de crescentes desigualdades, os progressos obtidos desde 1994 estarão ameaçados. Em seu "Relatório Mundial: Além de 2014", publicado nesta quarta-feira (12), o FNUAP (Fundo das Nações Unidas para a População) faz um panorama da situação em matéria de desenvolvimento nos domínios da saúde, da educação e do combate à pobreza.

A reportagem é de Alexandra Geneste, publicada no jornal Le Monde e reproduzida pelo Portal Uol, 14-02-2014.

O documento de 400 páginas se baseia nos dados fornecidos por 176 países. Se a mortalidade relacionada à gravidez e ao parto diminuiu quase pela metade desde 1990, "em 2010, 800 mulheres ainda morriam no parto a cada dia", lamenta o diretor executivo do FNUAP, o Dr. Babatunde Osotimehin, determinado a fazer da proteção às mulheres e às adolescentes a prioridade da agenda internacional de desenvolvimento.

O ex-ministro nigeriano da Saúde acredita que "o melhor termômetro dos avanços em matéria de desenvolvimento seria o estudo da situação das adolescentes, particularmente crítica nos países em desenvolvimento". Há o registro de cerca de 600 milhões de adolescentes no mundo, sendo que 90% vivem em países em desenvolvimento.

Um indicador que analisasse a evolução de suas condições de vida permitiria que o FNUAP fosse mais convincente e tivesse mais credibilidade junto a governos que ele aconselha e apoia em seus esforços a favor do desenvolvimento sustentável, diz Osotimehin. "Sem elementos de provas, nossas recomendações não têm nenhuma chance de serem respeitadas", ele explica, antes de salientar a importância dos dados para os Estados que queiram direcionar melhor seus gastos.

"Um efeito positivo sobre o crescimento"

Apesar de o casamento precoce ser ilegal em 158 países, uma em cada três jovens é casada à força antes dos 18 anos nos países em desenvolvimento. Citando pesquisas que tendem a demonstrar que "mulheres mais instruídas e famílias em boa saúde têm um efeito positivo sobre o crescimento do PNB (produto nacional bruto)", o diretor do Fundo convida os governos a criarem leis que protejam as mulheres e as adolescentes, que se tornaram as populações mais vulneráveis.

O relatório do FNUAP aponta que 222 milhões de mulheres não têm nenhum acesso à contracepção e que uma em cada três mulheres é vítima de violências físicas ou sexuais. "A boa notícia é que 70% dos governos consideram a igualdade e o respeito aos direitos humanos como prioridades para o desenvolvimento", observa o diretor da ONU, advertindo os países que não estariam cumprindo suas promessas feitas no Cairo vinte anos atrás.

Mencionando uma visita feita três semanas antes a um país da África – que ele evita nomear - , ele cita dois números que, segundo ele, ilustram a gravidade do problema: 92% das garotas de lá haviam iniciado ou concluído seu ciclo de ensino primário, mas somente 3% haviam continuado no ciclo secundário. "Está na hora de agir, insiste Osotimehin", que não culpa a falta de vontade política dos países, mas sim o enorme abismo que há entre a vontade política e sua aplicação. São realidades que deverão ser amplamente debatidas durante a próxima sessão, em abril, da Comissão da ONU da População e do Desenvolvimento.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium