Discriminação contra a mulher é um obstáculo para o desenvolvimento, segundo relatório da ONU

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • O que a desobediência de Renan e as bombas da igreja no Rio têm em comum?

    LER MAIS
  • Religiosos e religiosas do Brasil manifestam comunhão com o pontificado do papa Francisco

    LER MAIS
  • Proposta para Previdência endurece regra para jovens e tira renda de vulneráveis

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

18 Fevereiro 2014

Vinte anos após a Conferência Internacional sobre a População e o Desenvolvimento, no Cairo, a ONU soa o alerta: se os países não redobrarem os esforços a favor das mulheres e das adolescentes, vítimas de crescentes desigualdades, os progressos obtidos desde 1994 estarão ameaçados. Em seu "Relatório Mundial: Além de 2014", publicado nesta quarta-feira (12), o FNUAP (Fundo das Nações Unidas para a População) faz um panorama da situação em matéria de desenvolvimento nos domínios da saúde, da educação e do combate à pobreza.

A reportagem é de Alexandra Geneste, publicada no jornal Le Monde e reproduzida pelo Portal Uol, 14-02-2014.

O documento de 400 páginas se baseia nos dados fornecidos por 176 países. Se a mortalidade relacionada à gravidez e ao parto diminuiu quase pela metade desde 1990, "em 2010, 800 mulheres ainda morriam no parto a cada dia", lamenta o diretor executivo do FNUAP, o Dr. Babatunde Osotimehin, determinado a fazer da proteção às mulheres e às adolescentes a prioridade da agenda internacional de desenvolvimento.

O ex-ministro nigeriano da Saúde acredita que "o melhor termômetro dos avanços em matéria de desenvolvimento seria o estudo da situação das adolescentes, particularmente crítica nos países em desenvolvimento". Há o registro de cerca de 600 milhões de adolescentes no mundo, sendo que 90% vivem em países em desenvolvimento.

Um indicador que analisasse a evolução de suas condições de vida permitiria que o FNUAP fosse mais convincente e tivesse mais credibilidade junto a governos que ele aconselha e apoia em seus esforços a favor do desenvolvimento sustentável, diz Osotimehin. "Sem elementos de provas, nossas recomendações não têm nenhuma chance de serem respeitadas", ele explica, antes de salientar a importância dos dados para os Estados que queiram direcionar melhor seus gastos.

"Um efeito positivo sobre o crescimento"

Apesar de o casamento precoce ser ilegal em 158 países, uma em cada três jovens é casada à força antes dos 18 anos nos países em desenvolvimento. Citando pesquisas que tendem a demonstrar que "mulheres mais instruídas e famílias em boa saúde têm um efeito positivo sobre o crescimento do PNB (produto nacional bruto)", o diretor do Fundo convida os governos a criarem leis que protejam as mulheres e as adolescentes, que se tornaram as populações mais vulneráveis.

O relatório do FNUAP aponta que 222 milhões de mulheres não têm nenhum acesso à contracepção e que uma em cada três mulheres é vítima de violências físicas ou sexuais. "A boa notícia é que 70% dos governos consideram a igualdade e o respeito aos direitos humanos como prioridades para o desenvolvimento", observa o diretor da ONU, advertindo os países que não estariam cumprindo suas promessas feitas no Cairo vinte anos atrás.

Mencionando uma visita feita três semanas antes a um país da África – que ele evita nomear - , ele cita dois números que, segundo ele, ilustram a gravidade do problema: 92% das garotas de lá haviam iniciado ou concluído seu ciclo de ensino primário, mas somente 3% haviam continuado no ciclo secundário. "Está na hora de agir, insiste Osotimehin", que não culpa a falta de vontade política dos países, mas sim o enorme abismo que há entre a vontade política e sua aplicação. São realidades que deverão ser amplamente debatidas durante a próxima sessão, em abril, da Comissão da ONU da População e do Desenvolvimento.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Discriminação contra a mulher é um obstáculo para o desenvolvimento, segundo relatório da ONU