''A grande beleza'' é o desejo e a resposta

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Direita cristã é o novo ator e líder do neoconservadorismo no País

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Fevereiro 2014

A grande beleza é cotidiana e está ao alcance das mãos, se reintroduzirmos a contemplação no interior da ação cotidiana, se o ininterrupto diálogo, que o Espírito provoca dentro de nós e ao nosso redor, é captado a cada momento.

A opinião é do escritor e roteirista italiano Alessandro D'Avenia, (foto), graduado em Literatura Grega e doutor em Antropologia da Antiguidade, escritor, professor, autor, entre outros, do romance Branca como o leite, vermelho como o sangue, traduzido para o português.

O artigo foi publicado no jornal Avvenire, 29-01-2014, comentando o filme A Grande Beleza, de Paolo Sorrentino, em cartaz no Brasil, e que concorre ao Oscar de melhor filme estrangeiro. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

"Eu busquei a grande beleza", diz o protagonista do filme homônimo, no fim do seu percurso humano e espiritual. "E não a encontrei". É a constatação resignada. Resta apenas a promessa não cumprida de um amor jovem e repleto de frescor. A realidade, infelizmente, é um grande truque, provoca ilusões e consequentes desilusões. Vive-se de sonhos ou de recordações. O véu de Maya cobre o nada.

A primeira parte do filme de Paolo Sorrentino, que concorre ao Oscar, é uma viagem em busca de uma saída do torpor existencial e literário dos meandros quase infernais das festas romanas, "cujos trenzinhos são os mais belos porque não levam a lugar algum", para chegar – na segunda parte – a fazer a pergunta de sentido a interlocutores válidos por serem "espirituais": um bispo em odor de papado e uma freira tão austera a ponto de despertar o medo. Mas eles não se provam válidos: o primeiro porque é carnal, a segunda porque é angelical. Nenhum dos dois é espiritual, no sentido de abrigar a vida do Espírito na carne.

O bispo, na confidência do protagonista sobre as suas inquietações espirituais, se afasta ou muda de assunto falando sobre carne e vinho (não os eucarísticos). A irmã, apelidado de "a Santa", ao invés, come raízes e dorme no chão. Justamente ela, em uma cena sugestiva, reúne ao seu redor belíssimas aves das quais diz conhecer "o nome de batismo" e as faz voar soprando sobre elas de madrugada, um fragmento de grande beleza em que a criação é o alfabeto que Deus usa para dialogar com o ser humano.

Mas a santidade capaz disso – escavada em um olhar perdido no vazio, em rugas muito profundas, mas sem a vitalidade da Madre Teresa, na subida torcida e dolorosa da Escada Santa – é um modelo muito distante para o homem de todos os dias, quanto mais para o protagonista dândi desiludido, timidamente em busca de um paraíso não artificial.

A narrativa cinematográfica, portanto, reconhece a Igreja como último interlocutor e lhe pede razão da esperança (que é a grande beleza do cristianismo) que ela diz ter. Mas o bispo (carne sem alma) e a Santa (alma sem carne) não têm respostas palatáveis para o homem do mundo que reconheceu "o truque" do mundo niilista e hedonista.

O homem do mundo pergunta onde estão os homens do mundo como ele, mas com respostas. Essa é a ausência fragorosa que o filme faz vir à tona. Onde estão os fiéis leigos imersos no mundo, "como a alma no corpo", como se dizia dos primeiros cristãos? Quem está no mundo pode ser apenas mundano? Só quem se afasta do mundo não é engolido por ele? Há espaço para a contemplação da beleza na batalha das 24 horas? Há espaço para o non plus ultra no cotidiano?

Porém, a fé está fundamentada na encarnação do Verbo. A carne de Deus atravessou em Cristo todo o leque da experiência humana: o trabalho, o suor, o fracasso, a alegria, o sorriso, o pranto, o cansaço, o tédio, a traição, a amizade... e, portanto, tornou cada vivência humana – em união com Cristo – um lugar de encontro com o Deus transcendente, que salva essa experiência individual e aparentemente insignificante. Mas isso só é possível para aqueles que veem Deus no agir cotidiano ou, melhor, que encontram no agir cotidiano o diálogo com Deus, de outro modo impossível para aqueles que têm um trabalho e uma família.

A grande beleza é cotidiana e está ao alcance das mãos, se reintroduzirmos a contemplação no interior da ação cotidiana, se o ininterrupto diálogo, que o Espírito provoca dentro de nós e ao nosso redor, é captado a cada momento. Mas isso só é possível graças a uma vida de "estilo sacramental", em que o visível remete a uma plenitude das qual é sombra: "A fé tem uma estrutura sacramental; o despertar da fé passa pelo despertar de um novo sentido sacramental na vida do homem e na existência cristã, mostrando como o visível e o material se abrem para o mistério do eterno". São palavras da Lumen fidei (n. 40), que talvez poderíamos levar a sério.

É impossível contemplar sem vida sacramental, porque a transformação é gratis data sacramentalmente só pelo Espírito a cada pessoa individual que a deseja enquanto se move no mundo, com o seu trabalho, as suas contas e o tráfego. Aquele toque divino que revela no agir ordinário a grande beleza, que não deve ser posta nas coisas, mas está nas coisas e nas pessoas, porque Deus já a pôs.

Contemplativo pode ser qualquer um que responda a esse chamado continuo, real, forte na vida comum: no trem, no carro, na cozinha, à mesa. Só no sacramento o olhar, a audição, o olfato, o tato, o paladar se abrem à grande beleza, que brilha cotidianamente nas 24 horas e faz novas todas as coisas dessas 24 horas. E ela se encontra não só no silêncio de uma igreja, mas também em carregar uma máquina de lavar e em fazer os temas, em inserir dados em um computador e em um passeio no parque, em ouvir música e em conversando com um amigo... Em tudo, porque tudo é graça, e tudo é bom para aqueles que creem. O mundo se torna templo, embora mantendo a autonomia que Deus lhe conferiu.

Mas só quem vive a vida sacramentalmente vê a vida pelo que ela é: fragmento de uma transcendência, que dá gosto a esse fragmento. O cristão contemplativo é o verdadeiro hedonista: imerso no mundo sem ser submerso por ele. Deus é um pai que se inclina sobre uma criança e lhe presenteia o mundo para que brinque com ele. Deus não é uma doutrina abstrata para poucos ou uma série de leis impossíveis de se respeitar. Deus é um jogo pai-filho, um jogo desafiador como todos os jogos divertidos.

A grande beleza, a grandíssima beleza é a transfiguração sacramental do visível, desenterrada da contemplação no agir cotidiano, a ancoragem a Cristo na jornada concreta, cujos gestos "ressurgem", todos os gestos, e a sua grandeza não é determinada pelo seu sucesso incerto, mas sim pelo amor que descobrimos dentro deles e colocamos dentro deles.

Um cristianismo triste demais – o Papa Francisco disse recentemente que "os cristãos tristes não creem no Espírito Santo" – parece o dos casais em que o amor dado por óbvio se apaga, não é mais expressado, celebrado, festejado. O mundo não é mais o teatro onde o outro se move, mas volta ser mudo e repetitivo. O estilo não é mais luminoso e aberto, mas cinza e repetitivo, curvado sobre si mesmo.

Não há mais nenhuma liturgia amorosa, não há mais sinal que lembre o outro: nenhuma foto na carteira ou sobre a escrivaninha, nenhum prato preferido sobre a mesa. Só se procurarmos afirmar, aprofundar, tornar consciente e comprometedor o amor de Deus é que tudo em nós se transforma, como um jovem que se apaixona, ou como um amor que habita a juventude.

Só se os nossos sentidos se tornarem portas abertas ao dom contínuo da graça é que o Espírito poderá nos atravessar e nos mostrar a grande beleza do comum. Sem isso, a vida é des-graça, exilada da graça. Sobre o branco das vestes de Cristo, na Transfiguração, nos é dito que nenhuma lavadeira poderia obtê-lo. As vestes, até mesmo as vestes, em contato com a carne do Verto, tornam-se luz e beleza. Até mesmo as roupas se tornam sinal de Deus, estilista incomparável ainda da erva do campo, quanto mais da pessoa que, pelas estradas cansativas do mundo, anseia pela Grande Beleza.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A grande beleza'' é o desejo e a resposta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV