Renováveis contra apagão

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 06 Fevereiro 2014

"Diversificar e descentralizar a geração e transmissão de energia é a forma mais segura para evitarmos o desabestecimento no país". O comentário é de Ricardo Baitelo, coordenador da campanha de Energia do Greenpeace em artigo no portal do Greenpeace, 05-02-2014.

Eis o artigo.

A falha que ocasionou a interrupção do fornecimento de energia em diferentes pontos do país, afetando mais de 1 milhão de pessoas, evidencia novamente as restrições de um modelo centralizado de suprimento de eletricidade.

O Sudeste depende de grandes linhas de transmissão para receber energia de Itaipu que viaja longas distâncias até atingir as casas e edifícios consumidores. E este processo deve continuar com as próximas usinas hidrelétricas na Amazônia, ainda mais distantes dos principais centros consumidores.

A vulnerabilidade desse sistema não transparece apenas em eventos como o ocorrido ontem. A falta de chuvas também coloca em xeque a insistência em investirmos tanto em hidrelétricas, justamente as usinas mais suscetíveis às alterações climáticas que vivemos neste verão e em ocasiões passadas.

Temos em outras renováveis opções confiáveis e já economicamente viáveis. Um exemplo disso foram os leilões de 2013, que contrataram quase 6 mil MW em usinas de energia eólica, biomassa e solar, que devem ser construídas nos próximos 4 anos.

Desta forma, é possível atender ao crescimento energético do país com fontes renováveis sustentáveis em um horizonte de tempo até mais rápido do que o necessário para construir mais hidrelétricas como Belo Monte ou o complexo de Tapajós.

E curiosamente, é durante os períodos de falta de chuva que a fonte solar mais brilha, registrando índices de irradiação superiores aos convencionais no interior de São Paulo, Minas e Bahia. Diversificar e descentralizar a geração e transmissão de energia é a forma mais segura para evitarmos o desabestecimento no país.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Renováveis contra apagão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV