Produção perto do limite eleva riscos nas refinarias da Petrobras

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Apoio do papa a uniões gays não é uma surpresa, mas é muito significativo. Artigo de James Alison

    LER MAIS
  • Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

    O propósito da tecnologia e do humano: Dados, reflexões e possibilidades para a Economia de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 09 Janeiro 2014

Os cinco acidentes ocorridos em refinarias da Petrobras em menos de 40 dias acenderam o sinal vermelho sobre o uso exaustivo das unidades da companhia. Para especialistas e petroleiros, os recordes de processamento de petróleo vêm sendo obtidos com o parque de refino trabalhando quase no limite de sua capacidade, sobrecarregando equipamentos e trabalhadores e elevando o risco de acidentes.

A reportagem é de Cíntia Junges e publicada pela Gazeta do Povo, 09-01-2014.

Em comunicado ao mercado na terça-feira, a Petrobras anunciou um aumento de 8% no volume processado de janeiro a novembro de 2013 em relação ao mesmo período de 2012, passando de 1,897 milhão para 2,034 milhões de barris por dia. No mesmo documento, informou que a produção do ano passado equivale a 92% da carga autorizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), de 2,228 milhões de barris por dia.

Embora a estatal alegue que esse índice é comparável às refinarias norte-americanas de melhor performance, há quem avalie que o limite razoável para uma operação segura foi ultrapassado. Para Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), o ideal seria algo entre 85% e 90%.

“É muita coincidência ocorrerem acidentes justamente no momento em que a companhia bate recordes de refino de petróleo e produção de gasolina e diesel”, afirma Pires, que atribui à política de preços defasados da companhia a origem dos problemas. “Na tentativa de reduzir a importação de derivados e amenizar seu problema de caixa, a Petrobras optou por produzir mais, mesmo com a capacidade limitada. É um risco assumido e agora a companhia está pagando a conta”, diz.

Em série

A série de acidentes começou no fim de novembro, quando um incêndio na Unidade de Destilação U-2100 paralisou por 22 dias a produção da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, na região de Curitiba. De lá para cá ocorreram acidentes em outras quatro refinarias.

Com capacidade nominal para refinar 220 mil barris de petróleo por dia, a Repar opera perto de sua capacidade máxima. De janeiro a novembro de 2013, processou em média 207 mil barris diários, o equivalente a 94% do máximo. Em junho, mês de maior produção em sua história, foram 212 mil barris por dia, ou 96% da capacidade.

Procurada pela Gazeta do Povo, a ANP não informou a carga autorizada para a Repar e as demais refinarias. Mas a agência já chegou a multar a refinaria paranaense e também a de Paulínia (SP) por produzirem acima do limite permitido.

Combinação explosiva

Especialistas e petroleiros atribuem os frequentes acidentes nas refinarias a uma combinação perigosa de três fatores: o Programa de Otimização de Custos Operacionais (Procop), que foi implementado há cerca de um ano e baixou custos da área de manutenção; a redução do efetivo de trabalhadores; e a pressão por produtividade.

“Um acidente é um evento construído, principalmente dentro de uma área industrial. Fatalidades podem acontecer, mas são fatos raros e não frequentes como vem ocorrendo”, afirma Silvaney Bernardi, presidente do Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina (Sindipetro PR/SC).

No comunicado de terça-feira, a Petrobras disse cumprir “rigorosamente a programação e todas as normas e procedimentos de manutenção das instalações de refino”, e que “tem como prática permanente a análise das ocorrências com o objetivo de melhorar seus procedimentos operacionais”.

Parque de refino não dá conta da demanda

A última refinaria inaugurada no país foi a Henrique Lage (Revap), em São José dos Campos (SP), em 1980. De lá para cá, a falta de investimentos na ampliação do parque de refino, somada à crescente demanda por combustíveis, complicaram o cenário do abastecimento, obrigando a Petrobras a buscar no mercado internacional os derivados para suprir o mercado doméstico.

De um lado, o crescimento econômico do país elevou a procura por diesel; do outro, a “explosão” da frota de automóveis inflou a demanda por gasolina. Além disso, o subsídio ao preço da gasolina estimulou ainda mais o seu consumo.

Em 2009, o derivado da cana-de-açúcar atendeu 39% da demanda dos carros e a gasolina, os 61% restantes. No ano passado, a “fatia” do etanol foi de apenas 21% e a da gasolina, de 79%. Nem as ampliações de algumas refinarias – como a que elevou em 10% a capacidade da Repar entre 2007 e 2011 – foram suficientes para dar conta de toda a demanda doméstica.

Alerta

Em um intervalo de apenas 38 dias, cinco refinarias da Petrobras registraram acidentes. O primeiro deles foi na Repar, em Araucária

• 28 de novembro de 2013 - Um incêndio na Unidade de Destilação da Repar paralisou totalmente a produção por 22 dias. Para evitar o desabastecimento de combustíveis no Paraná e em Santa Catarina, a Petrobras foi obrigada a aumentar a importação de derivados via Porto de Paranaguá.

• 1.º de dezembro de 2013 - Uma explosão seguida de incêndio na Refinaria de Manaus (Reman) da Petrobras deixou três trabalhadores feridos, com queimaduras. O acidente ocorreu na Unidade de Craqueamento Catalítico (UFCC) durante a parada para manutenção e foi causado pela explosão de uma mangueira utilizada no processo de refino do petróleo.

• 3 de dezembro de 2013 - Após sentir um forte cheiro de sulfeto de hidrogênio (H2s), um trabalhador da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG), acionou a equipe de SMS, que constatou o vazamento de gás e interditou a unidade de querosene (U-108). O gás sulfídrico é extremamente tóxico e inflamável e pode causar intoxicações severas com possibilidade de danos permanentes, dependendo do tempo de exposição da pessoa.

• 12 de dezembro de 2013 - Dois acidentes ocorridos durante a manutenção da unidade de craqueamento catalítico da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), em São Francisco do Conde (BA), deixaram três funcionários feridos. No dia anterior, outro trabalhador também ficou ferido após ser atingido por um jato de vapor durante a operação de limpeza de uma tubulação.

• 4 de janeiro de 2014 - Na noite de sábado, dia 4, um incêndio interrompeu a produção da unidade de Coque da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no estado do Rio de Janeiro. A unidade é responsável pela produção de derivados de alto valor agregado. Segundo os sindicalistas, a empresa aumentou em 20% a operação na unidade. A estimativa é de um prejuízo diário de R$ 500 mil.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Produção perto do limite eleva riscos nas refinarias da Petrobras - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV