Fraturamento hidráulico: como é viver próximo a poços de gás de xisto

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • Argentina: empossado o presidente Fernández, “superar o ódio, o Papa Francisco é uma referência”

    LER MAIS
  • Novo bispo austríaco se opõe ao celibato sacerdotal obrigatório

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

20 Dezembro 2013

Náuseas, dores de cabeça e hemorragias nasais, cheiros químicos desagradáveis, barulhos de perfuração constantes, os preços dos imóveis caindo – seja bem-vindo a Ponder, no Texas, onde o método conhecido como “fracking”, fraturamento hidráulico, tomou conta da cidade. Tendo o primeiro ministro britânico anunciado, na semana passada, incentivos fiscais para empresas de perfuração, poderá o Reino Unido estar enfrentando os mesmos problemas?

A reportagem é de Suzanne Goldenberg, publicada no jornal The Guardian, 14-12-2013. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Veronica Kronvoll pode, ainda hoje, se lembrar de quão animada ela ficou ao comprar sua casa em 2007. Esta era a sua primeira casa e, para comemorar, sua tia decorou a cozinha com sua cor favorita, roxo: tudo dessa cor, desde o micro-ondas até as tigelas. Um primo tirou fotos suas deitada ao chão do lugar que viria a ser seu quarto. Ela plantou rosas e disse a si mesma que iria aprender tudo sobre jardinagem.

O que Kronvall não imaginava na época – mesmo aqui no norte do Texas, o coração da indústria do óleo e gás – era que quatro anos depois uma empresa do ramo energético iria perfurar cinco poços atrás de sua casa. Os dois mais próximos estão a 91 metros de seu pequeno pedaço de jardim, e seus canos verdes e tanques pairam sobre a cerca. Assim que a perfuração se iniciou, Kronvall, uma senhora de 52 de idade, começou a ter sangramentos, náuseas e dores de cabeça. Sua casa perdeu quase um quarto de seu valor, e alguns de seus vizinhos tiveram seus bens hipotecados. “O que era uma vida pacata tornou-se num pesadelo”.

Analistas do ramo de energia nos EUA têm se surpreendido tanto quanto Kronvall quanto à rapidez com que o fraturamento hidráulico vem se proliferando. Há cinco anos a produção de petróleo e gás nos Estados Unidos estava em forte declínio, já que as reservas de fontes convencionais secaram. Então, um perfurador texano, George Mitchell, começou testando novas tecnologias no Barnett Shale [Xisto de Barnett], a formação geológica que se encontra sob a cidade de Fort Worth (Texas), e em cidades menores ao norte, onde Konvrall vive. Mitchell não inventou a técnica. O fraturamento hidráulico, ou “fracking”, foi usado já em 1940 para extrair gás de poços convencionais. Já que o eixo do poço descia para dentro da camada de xisto, o perfurador iria implodir dois galões de 2m a 4m cúbicos de água, areia e um coquetel de produtos químicos no fundo do eixo a uma pressão alta, criando milhares de pequenas fraturas nas rochas para liberar o gás.

A inovação de Mitchell foi combinar a tecnologia com a perfuração direcional, ponto uma broca para baixo em um ângulo de 90 graus para perfurar, paralelamente ao solo, milhares de metros. Mitchell levou mais de 15 anos abrindo buracos por toda a extensão do Barnett Shale para obter a mistura correta de água e produtos químicos, até que, por fim, encontrou uma forma de tornar esta prática comercialmente viável, a fim de obter metano nas camadas de ligação forte de xisto. A nova tecnologia fez o Barnett Shale ser a maior reserva de gás natural em terra firme dos EUA. Outros operadores, tomando emprestado o trabalho de Mitchell, começaram as perfurações nos estados do Colorado, Dakota do Norte, Ohio, Pensilvânia e, mais recentemente, na Califórnia. Mais de 15 milhões de americanos vivem, hoje, num raio de aproximadamente 1500 metros em relação a algum poço de gás ou petróleo; seis milhões deles vivem no Texas.

A indústria tem agido rapidamente para divulgar os benefícios aparentes do fraturamento hidráulico. Os custos com energia elétrica e aquecimento caíram. A atividade do setor de petróleo e gás vem ajudando a animar uma economia nacional angustiante assim como bancando novas escolas ao redor do país. No último mês de outubro, pela primeira vez, desde 1995, os EUA produziram mais petróleo em seu território do que importaram.

No entanto, novas provas começaram a aparecer, mostrando que o fraturamento hidráulico, enquanto reduz o consumo de carvão, não está restringindo em níveis significativos as emissões de efeito estufa que causam a mudanças climáticas.

Ativistas alertam que o fraturamento hidráulico está comprometendo ainda mais os EUA em relação a um futuro baseado em combustíveis fósseis, além de ampliar os riscos das mudanças climáticas. Ouvimos histórias de alguns proprietários que contam ter visto escorrer, de suas torneiras, produtos químicos associados com a prática de fraturamento. Há vídeos na internet mostrando chamas saindo das torneiras de cozinha devido ao vazamento de metano. Empresas foram multadas por lançar resíduos radiativos nos rios.

No norte do Texas, onde vive Kronvall, o número de novos poços de petróleo e gás subiu quase 800% desde 2000. É impossível passear de carro por esta região sem ver os sinais deixados para trás, mesmo depois que os equipamentos foram recolhidos para outro lugar: as praças vazias de terra achatada, as matrizes de tanques condensados, as estações de compressão e de dutos e grandes valas abertas de águas residuais.

Praticamente nenhum local está fora dos limites. As empresas de energia têm perfurados poços na propriedade da Igreja, recintos escolares e em condomínios fechados. No último mês de novembro, uma empresa de petróleo instalou um poço no campus da Universidade do Norte do Texas, nas proximidades de Denton, junto a campos de tênis e do outro lado da rua do principal estádio de esportes, além de uma estande de turbinas eólicas gigantes. No Texas, como em grande parte dos Estados Unidos, os proprietários nem sempre possuem os “direitos de mineração” – os direitos de recursos subterrâneos.

Kronvall mudou-se da região de Fort Worth para a cidadezinha agrícola de Ponder – com 1400 quatrocentos habitantes – pela paz, tranquilidade e pelos preços acessíveis das casas; sua mudança significou também uma comutação mais rápida do trabalho para sua casa no centro de pesquisas da Universidade do Norte do Texas. Westley e Beth Howard mudaram-se para o bairro de Remington Park da mesma cidade, no mesmo ano que Kronvall, após fazerem um cálculo similar. Era perto de onde Beth trabalha como designer gráfico na Universidade Feminina do Texas.

Wesley, 41 anos, técnico na IBM, trabalha de casa. A vizinhança era ainda parcialmente constituída, porém os vendedores já diziam que estavam sendo planejadas outras 150 novas casas, um parque e trilhas para caminhada no campo atrás de suas casas. “Esta era a primeira casa que tivemos”, diz Wesley. “Nós nos víamos morando aqui por, pelos menos, algumas décadas. Esta era a nossa expectativa e nossa esperança de que o bairro fosse crescer e os valores das propriedades iriam melhorar, os serviços iriam aparecer...”.

Em fevereiro de 2011, Beth, 31 anos, tinha acabado de descobrir que estava grávida quando o casal notou que algumas estacas de madeira com tiras de plástico haviam sido colocadas no campo atrás da casa.

Kronvall as tinha visto também, e supôs que os trabalhadores estavam demarcando o terremos para a nova fase de construção. Ela estava fora, em uma conferência, no ano de 2011, quando recebeu um telefonema de um outro vizinho: as equipes chegaram com equipamentos de terraplanagem. O campo detrás de suas casas estava prestes a ser perfurado para se tornar um poço.

Nenhum dos vizinhos recebeu qualquer notificação oficial, nem da empresa energética nem das autoridades. “A lei, naquele momento, não os obriga a nos contar sobre o que fazem ou dar qualquer notificação”, afirma Wesley. “Eles poderiam jogar isso na nossa cara, e assim o fizeram”. Naquela época, a lei do Texas não exigia que as empresas divulgassem os produtos químicos que estavam usando para o fraturamento do poço. Moradores dizem que, até hoje, nenhum deles tem alguma ideia e quais sejam estes produtos, embora haja agora um registro de divulgação química voluntária no site fracfocus.org.

As equipes começaram a aplainar a terra e a instalar uma torre de perfuração vermelha de 60 metros que pairava por sobre suas casas. Comboios de caminhões tomaram a estrada principal. “Era terrível”, disse Kronvall. “Havia muito barulho. A quantidade de caminhões era enorme, e os gases de escapamento, a fumaça no ar, tudo horrível, durante 24 horas por dia, nos sete dias da semana.

Kronvall disse que as atividades do outro lado de sua cerca depositaram uma camada de pó branco em suas prateleiras. O barulho vindo das equipes de trabalho gritando em megafones invidiam seu quarto. Iluminação vinda da obra perpassavam suas cortinas, dificultando cair no sono. O barulho dos caminhões e equipamentos sacudiam os óculos em sua estante, e o cheiro – uma mistura acre de produtos químicos – era onipresente.

“Minha esposa estava grávida durante todo este tempo em que os equipamentos estavam lá”, informou Wesley. Havia um barulho dos geradores a diesel arrotando fuligem, e uma mistura nauseante de produtos químicos competindo com o aroma do jantar. O barulho e o cheiro faziam-se presentes na rua da frente também, onde Christina Mills vive. Tal como aconteceu com os Howards e com Kronvall, Mills, 65 anos, veio para Ponder por causa de sua calmaria. Construiu a quarta casa levantada no empreendimento quando se mudou para a cidade em 2001. “Porém, quando aquela torre foi erguida, parecia que estávamos em Las Vegas”, disse, e “e eu moro a uma quadra dela”.

A Devon Energy Ltda., empresa que de perfuração que trabalha atrás das casas destes moradores, chegou a instalar uma cortina para abafar o ruído. A empresa – que adquiriu os direitos de George Mitchell e que se tornou uma das maiores operadoras de extração de gás de xisto – diz estar comprometida com os moradores. “Estamos sempre trabalhando para encontrar novas e melhores formas de fazer o que fazemos com o menos impacto possível que possa haver sobre nossos vizinhos”, diz Tim Hartley, assessor de comunicação da empresa. “Onde quer que estejamos, queremos ter uma operação saudável, segura e da melhor classe. Assim, estamos comprometidos com estes objetivos, e temos feito assim na área de Barnett Shale por muitos anos”.

A cortina fez pouca diferença no abafamento do som ou para a redução dos efeitos do faturamento hidráulico, dizem os moradores. O filho dos Howards, chamado Pike, veio ao mundo poucas semanas antes do período normal. O casal diz que não há como saber se este fato está conectado com a atividade de faturamento, porém, mesmo assim, ficaram assustados ao expor a criança com possíveis produtos químicos. “Ele está em ótimas condições de saúde, mas ainda é um recém-nascido”, falou Wesley. “Quando a gente acaba cheirando escapamento de diesel, e quando temos odores nada comuns, e além de tudo aquilo que desconhecemos quanto ao que acontece na indústria, tudo pode ficar muito estressante. Não sabíamos o que estávamos respirando em momento algum, e nosso filhinho estava respirando isso também. Foi isso o que fez o seu nascimento ser prematuro”.

Há duas casas de distância, Kronvall diz que seus olhos regavam constantemente quando estava em casa, só parando quando chegava no trabalho, após uma ou duas horas. Assim como crises de náuseas e dores de cabeça fracas latejantes, havia também sangue quando assoava o nariz. “Tive sangramento durante praticamente todo o tempo”, falou.

A empresa Devon disse não estar ciente de nenhuma reclamação sobre problemas de saúde ocorridos após o início de suas atividades em Remington Park, embora representantes da companhia participaram de encontros públicos em 2011, sendo acusados por moradores de desdém sobre questões de saúde. Em resposta, Hartley disse: “Seria inapropriado para nós debater publicamente tais afirmações”.

Além de lutar contra o barulho e o mau cheiro, Christina Mills diz que havia também a poeira. Certo dia, encontrou um pó branco cobrindo todo seu casso. Então foi a uma lavagem para tirar a sujeira. “Fui lá para lavar, tirar o pó do carro, e a pintura preta veio junto com a lavagem”, disse ela, ainda chocada ao se lembrar. “Aquela poeira tirou a pintura de meu carro”.

Todos os três vizinhos tentaram parar a atividade da empresa, ou ao menos receber indenização. Buscaram assessoria jurídica e apelaram às autoridades municipais e estaduais. Inspetores ambientais do Texas vieram até a casa de Kronvall, lastimaram-se quanto ao mau cheiro e coletaram amostras de ar para, semanas depois, relatarem que não foram capazes de detectar emissões perigosas de gases.

Assim que os vizinhos descobriram, tanto eles quanto os donos do empreendimento imobiliário, donos da área atrás da casa da Dona Kronvall e dos Howards, encontravam-se de mãos atadas porque não tinham controle dos direitos de mineração. As autoridades locais até mudaram as regras de zoneamento para permitir a prática de fraturamento hidráulico próximo das casas, e tiveram pedidos de reuniões públicas relativas à perfuração. Ainda hoje Mills fica furiosa com a forma como os vereadores trataram a questão do Remington Park: “Eles continuaram permitindo a venda de casas, mesmo sabendo que a empresa estava se preparando para perfurar logo atrás das propriedades”.

Para sua surpresa, ela está irritada com a empresa energética também. Isso até então era inédito. Sendo uma contadora, começou sua carreira fazendo auditorias nos campos de petróleo do estado de Oklahoma. Ela se considerava uma apoiadora do ramo de extração de gás e petróleo. “Em 17 anos trabalhando em Oklahoma, nunca vi empresas intrometerem-se numa área densamente povoada. Aqui eles tornaram o caso pessoal, e foi aí que tive problemas... Vieram para trás de nossas casas, a 60 metros apenas. E isso é tão ruim.”

Houve casos em que as empresas de energia têm indenizado moradores por danos à saúde e à propriedade como resultado da atividade de fraturamento. Os detalhes destes acordos são de capital fechado por causa de acordos de confidencialidade. No entanto, os moradores de Ponder não conseguiram contratar um advogado para o caso, uma vez que os valores de suas propriedades eram muito baixos: os advogados disseram que os danos potenciais das casas não eram suficientes para fazer valer a pena.

Durante os oito meses que levaram para pôr os poços em condição de exploração, tudo o que os moradores puderam fazer foi assistir. Por fim, os equipamentos foram desmontados e levados para outro lugar, deixando expostos dois poços de petróleo e três tanques de resíduos na área bem atrás das casas. Outros três poços, mais seis tanques de resíduos e um grande lago aberto foram erguidos no outro lado da mesma área. Caminhões pesados ainda circulam todo dia para esvaziar os tanques construídos.

Houve sustos também. No começo deste ano, um som de assobio veio dos tanques, e os moradores se perguntaram se um dos poços não estaria prestes a explodir. Alguns moradores venderam suas casas simplesmente – alguns venderam por menos do que haviam pagado – ou alugaram para, então, irem morar em outro lugar.

Mills agora usa um inalador, depois de ter desenvolvido asma. “Eu não costumava ficar doente”, diz, mas “nos últimos 18 meses tive pneumonia três vezes”. Ela perdeu oito semanas de trabalho.

“Isso parece ter acontecido durante toda a minha vida, e não só agora”, diz Kronvall. “É difícil lembrar como era antes, pois este tem sido um evento tão dramático. A gente sente violada. Como eles podem vir aqui e fazer isso, e nem mesmo consultar as pessoas? Não há nenhum tipo de respeito para com a decência humana ou direitos, basta vir e fazer o que quiser. E eles farão o mesmo no Reino Unido, caso algumas lições não sejam tiradas desta experiência”.

Agora é a hora de a Grã-Bretanha decidir se quer ser um pouquinho parecida com a “América Saudita”. Um relatório do Centro de Pesquisa Geológica Britânico, publicado no último mês de julho, aumenta significativamente as estimativas da quantidade de gás que há sob o norte do país, trazendo esperanças para se repetir, aí, a corrida americana por gás de xisto. O relatório sugere que poderá haver 400 toneladas de metros cúbicos de gás numa área que se estende de Lancashire a Yorkshire, indo até Lincolnshire.

Dependendo da fratura hidráulica quanto ao que é recuperável, o gás poderia abastecer o país por décadas. O governo começou a promover a ideia de que seria irresponsável não tirar vantagem nesse caso, e falou abertamente em terras para fraturamento hidráulico não somente no norte da Inglaterra, mas também no sudeste do País de Gales.

O anúncio do orçamento dado pelo ministro na última semana incluía isenções fiscais generosas para as empresas exploradoras. “Quero que o país explore novas formas energéticas de baixo custo, tal como gás de xisto”, disse George Osborne. “O gás de xisto é parte do futuro e nós iremos fazê-lo acontecer”. David Cameron disse que a liberação deste gás irá transformar a Grã-Bretanha assim como transformou os EUA, baixando os preços da energia, criando dezenas de milhares de empregos e fornecendo novas receitas para as autarquias locais.

O fraturamento hidráulico não teve um começo fácil na Grã-Bretanha. Em abril de 2011, dois pequenos terremotos e dezenas de tremores ocorreram quando a empresa Cuadrilla Resources perfurou seu primeiro poço em Weeton, na região de Lancashire. Os tremores puderem ser sentidos em Blackpool, bem distante do local de origem. A empesa suspendeu suas operações para uma investigação sísmica, porém continuou trabalhando na construção de seus outros poços.

Manifestantes forçaram as empresas a adiarem ou se afastaram de outros locais em que havia poços de extração do xisto. Mesmo com tais desafios, a indústria se mantém comprometida a levar os empreendimentos adiante. Ao menos, seis empresas de petróleo e gás anunciaram planos para prosseguir com a exploração de gás na Grã-Bretanha. A empresa Cuadrilla já até perfurou poços exploratórios em Singleton e em Becconsall, também na região de Lancashire. Também está dando prosseguimento a um outro poço, em Balcombe, na província de Sussex Ocidental. As companhias Celtique Energie e Coastal Oil & Gas inscreveram-se para perfuração de poços em Kent, Sussex Ocidental, e no País de Gales.

O principal órgão desta indústria, o Grupo de Operadores em Terra Firme do Reino Unido (UKOOG, signa em inglês), espera que uma quantidade destes poços exploratórios esteja em funcionamento em 2014 ou 2015. O Institute of Directors – “Instituto dos Diretores”, organização inglesa que representa e dispõe padrões para os diretores de empresas – disse em um relatório que poderemos ter 100 locais de poços em todo o país nos próximos 10 ou 15 anos.

Este setor da indústria sustenta que o fraturamento hidráulico no Grã-Bretanha será bem diferente daquele implementado nos EUA por causa da natureza da geologia e de leis mais severas. O xisto de Blowland é muito mais espesso, fino, do que aquele encontrado em Barnett Shale, por exemplo, o que, dizem os especialistas, significa que as empresas energéticas irão ser capazes de escavar muito mais poços em espiral em um único lugar, e assim limitar o impacto do fraturamento sobre o solo. “A verdade é que haverá pegadas muito menores por parte das empresas”, diz Ken Cronin, chefe executivo do UKOOG. “A outra verdade é que nós temos um sistema de regulação muito mais abrangente no Reino Unido”. Diferentemente do que ocorre na Pensilvânia, onde há muitas reclamações de água potável contaminada, aqui iremos exigir que as empresas de perfuração monitorem a qualidade da água ao longo do processo de fraturamento.

As regras também exigem das empresas a divulgação de quais produtos químicos estão sendo usados, e o governo britânico já restringiu o emprego de alguns produtos usados nos Estados Unidos.

Cronin diz que a Grã-Bretanha também terá padrões mais altos no trato com as enormes quantidades de resíduos de água radiativa e tóxica resultantes da prática do fraturamento hidráulico. A quantidade que resulta daí é suficiente para inundar Washington, a capital dos EUA, por completo sob um lago tóxico de quase 7 metros de altura.

Ao contrário do Texas, onde as águas residuais do fraturamento é, às vezes, deixada a evaporar em valas abertas, na Grã-Bretanha serão exigidas unidades de eliminação lacradas. E, diferentemente do que acontece no estado da Dakota do Norte, onde os produtores simplesmente queimam o excesso de gás, expelindo gases de efeito estufa para a atmosfera, aqui as empresas irão capturar o gás e canalizá-lo para dentro do fornecimento nacional hoje existente.

Talvez o seguinte seja o mais importante de tudo, diz Cronin: haverá padrões rígidos de qualidade dos poços assim como inspeções regulares para assegurar que não há escapamento de fluídos derivado do fraturamento ou de gás para dentro do fornecimento de água.

A empresa Cuadrilla acredita que estas regras ponham a Grã-Bretanha muito além dos EUA em termos de proteção da saúde humana e do meio ambiente. Entretanto, ela já foi advertida quanto ao seu desempenho em não reconhecer a significação do dano a seu poço ocorridos após os terremotos de 2011, e por não relatar o ocorrido durante os seis meses que se passaram, de acordo com o documento divulgado sob a lei de liberdade da informação.

A empresa iria responder somente por escrito às questões através de sua assessoria, que continua sustentando que a Grã-Bretanha está melhor preparada para a prática do fraturamento hidráulico do que os EUA, ao afirmar que “a padronização das regras e as regulamentações mundiais de desempenho fazem o Reino Unido estar mais preparado no setor crescente de gás de xisto”.

Os opositores do “fracking” ainda não se convenceram. “Nenhum sistema é infalível”, diz Caroline Lucas, deputada inglesa pelo Partido Verde presa em agosto pelo bloqueio feito no local de perfuração de poços em Balbombe. “Nenhum sistema é completamente seguro o suficiente. Precisamos ponderar quanto à relação custo/benefício, quanto aos riscos e retornos econômicos envolvidos. E a mim parece que na prática do fraturamento hidráulico, mesmo que sua regulamentação seja mais firme do que a dos EUA, há riscos que não precisamos correr”.

Caroline Lucas diz estar preocupada com a escassez de água – grandes volumes são necessários para a perfuração de um poço –, especialmente na região sudeste do país, e com os riscos de trazer uma nova empresa para um terreno com enorme densidade demográfica.

Porém, de longe o maior medo da deputada é que o lançamento de uma revolução de gás de xisto na Grã-Bretanha irá destruir qualquer projeção de ação sobre a questão da mudança climática. “Os cientistas dizem que precisamos deixar de lado quatro quintos dos combustíveis já conhecidos e usados em solo se quisermos ter qualquer chance de evitar o aquecimento climático de dois graus. Portanto, ficar buscando novas fontes de combustível fóssil parece particularmente perverso”.

Um outro destacado oponente da prática de fraturamento hidráulico, o proprietário de terra Cowdray, diz que se o fraturamento for adiante, ele antevê um cenário de poços espalhados ao longo da região de South Downs. Alguns dos lugares previstos ao redor de Fernhurst, em Sussex Ocidental, diz ele, estão dentro de um raio de 180 metros das residências, cerca do dobro da distância da área de Ponder, EUA, onde vive Kronvall, mas, mesmo assim, é muito próximo.

Entretanto, o que Cowdray mais teme é que as companhias de petróleo não estejam preparadas, ou suficientemente seguras, para lidar com um evento de grande contaminação, tal como o vazamento de fluídos do fraturamento hidráulico ou de resíduos para dentro do fornecimento de água. “Não confio na indústria”, diz ele. “Acho que já houve muitos casos de contaminação no passado ao redor do mundo – muitos deles nós ficamos sabendo, e muitos não”.

O caso na Grã-Bretanha poderá ser diferente? De volta à pequena cidade do Texas, Wesley Howard diz que, na medida em que a prática de fraturamento hidráulico se espalhava pelos EUA, ouvia sempre o mesmo refrão. “Isto daí é o mesma coisa que disseram em Ohio, quando a população dizia: ‘Olhem o que ocorreu em Dakota!’. Em todos os estados americanos você ouve esta história contada de uma maneira ou de outra: que o solo aqui é diferente, que os tipos de xisto aqui são diferentes, que as regras aqui são diferentes, que as empresas trabalhando aqui são diferentes”.

E continua: É sempre diferente, porém, mais cedo ou mais tarde, é sempre a mesma coisa”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fraturamento hidráulico: como é viver próximo a poços de gás de xisto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV