Economia de baixo carbono: AIE apresenta soluções

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Dezembro 2013

A descarbonização de nossa economia apresenta diversos obstáculos para se concretizar, que podem ser resumidos em três grandes desafios: substituir as usinas mais antigas de energia convencional, adotar energias renováveis e reforçar e expandir a rede de transmissão para se adaptar a uma geração nova, descentralizada e variada de energia.

A reportagem é de Jéssica Lipinski, publicada no sítio do Instituto Carbono Brasil, 10-12-2013.

Como esses obstáculos se apresentam e como lidar com eles é o tema do relatório Fornecimento de Eletricidade Seguro e Eficiente (Secure and Efficient Electricity Supply), publicado em novembro pela Agência Internacional de Energia (AIE).

Segundo o documento, a forma como os atuais mercados e quadros regulatórios estão configurados podem fazer com que se torne difícil garantir um fornecimento de eletricidade seguro e eficiente na busca por uma economia de baixo carbono.

Por isso, o relatório apresenta os resultados do Plano de Ação de Segurança de Eletricidade (ESAP), aprovado em uma reunião ministerial internacional em 2011, que analisa os desafios de segurança em eletricidade e aponta as melhores políticas para uma transição de sucesso.

O plano aborda cinco aspectos: a geração de eletricidade, a operação de rede, a resposta de demanda, a integração de mercado e a preparação para emergências.

O Fornecimento de Eletricidade Seguro e Eficiente foca primeiramente nas recomendações econômicas e operacionais para substituir as centrais elétricas mais antigas, integrando mais renováveis como a energia eólica e a energia solar fotovoltaica.

Por exemplo, o relatório indica que os países-membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) acrescentaram 102 gigawatts (GW) de capacidade eólica e 81 GW de capacidade solar de 2007 a 2012, ultrapassando outras fontes. Com isso, a capacidade instalada cumulativa de energia eólica e solar deve atingir 488 GW até 2018 e 643 GW até 2025.

O documento também explora soluções para desafios operacionais, regulatórios e de investimento, para que as redes possam se adaptar à descentralização e variabilidade que envolve a descarbonização da economia.

O texto apresenta três exemplos de serviços de redes operacionais inovadoras: a CECRE, na Espanha, que fez com que o país se tornasse o primeiro a ter um centro de controle para todas as suas fazendas eólicas de mais de 10 megawatts (MW), aumentando a integração das energias renováveis no sistema; a ERCOT, no Texas (EUA), que usa uma metodologia altamente eficiente; e a NEM, na Austrália, que permite o re-agendamento de propostas de oferta e demanda.

O relatório também detalha as dimensões de mercado que favorecem a integração regional, e fala sobre a experiência de alguns países da OCDE em desenvolver mercados regionais. Um exemplo é os Estados Unidos, que têm várias operadoras de energia descentralizadas, como a Operadora de Sistema Independente do Meio Oeste (MISO), a ERCOT e a PJM, o que levou a fluxos de energia mais eficientes.

O documento, contudo, enfatiza que um fornecimento de eletricidade seguro não deve ser privilégio apenas dos países da OCDE, e que todo o mundo deve criar políticas para desenvolver e integrar os mercados de eletricidade e desenvolver fontes de energia de baixo carbono.

Isso, aliás, é citado como um grande desafio, já que o Fornecimento de Eletricidade Seguro e Eficiente afirma que grande parte dos países emergentes, como Brasil, África do Sul, China, Índia e Rússia, precisa manter uma infraestrutura energética que acompanhe sua crescente demanda, o que muitas vezes se mostra uma grande dificuldade.

No próximo ano, a AIE publicará uma análise quantitativa da integração em longo prazo das várias fontes renováveis no sistema de eletricidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Economia de baixo carbono: AIE apresenta soluções - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV