Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

“Estamos vivendo uma contra reforma agrária”

O Largo da Carioca, no Centro do Rio, transformou-se em palco da agricultura campesina e da cultura popular neste início de semana. Embalados por sons de diferentes regiões do Brasil, agricultores e consumidores estão tendo a chance de romper a distância estabelecida pelas grandes cadeias de supermercados e conectar as duas pontas da alimentação: a produção e o consumo.

A reportagem é de Alan Tygel e Camila Nobrega e publicado pelo Canal Ibase, 10-12-2103.

O encontro é resultado da IV Feira Estadual da Reforma Agrária Cícero Guedes, que termina nesta terça-feira (10/12). Agricultoras e agricultores de assentamentos de todo o Estado do Rio de Janeiro trouxeram diferentes produtos, como verduras, legumes, além de alimentos beneficiados e processados. A procura foi tanta que alguns produtores venderam tudo no primeiro dia de feira.

- Não esperávamos tanta procura e tanta aceitação dos produtos da reforma agrária – afirmou Ivi Tavares, do Coletivo de Saúde do MST.

Xampus, condicionadores, tinturas e xaropes do coletivo fizeram sucesso. Em meio a um sistema de produção agrícola massificado e controlado por grandes empresas, a diversidade de cultivos exposta na feira surpreende, como explicou a administradora Tânia Regina Alcindo, que trabalha no Centro e visitou a feira:

- Eu sei o que é reforma agrária, claro, mas não pensava tanto na relação dela com as coisas que eu como em casa, por exemplo. Foi um barato vir à feira e descobrir essa quantidade toda de culturas. Nós ficamos tão viciados na praticidade do supermercado que até esquecemos da saúde. Nem sabemos de onde vêm os alimentos. Aqui é diferente, adorei – contou ela.

Segundo o especialista em segurança alimentar e pesquisador do Ibase Chico Menezes, eventos desse tipo cumprem um papel de unir as duas pontas, da produção da reforma agrária e dos consumidores. Para ele, é uma forma inteligente e leve de mostrar que os dois grupos tem muito em comum.

- Aquilo que estes pequenos agricultores oferecem é desejado e apreciado pelos consumidores. É, também, uma forma de enfrentar a permanente desqualificação que os setores mais retrógrados da sociedade tentam colar na reforma agrária. É um momento em que não se trata tanto de fazer discursos ou distribuir panfletos, mas de se mostrar o que está sendo produzido e oferecer alimentos e bebidas de boa qualidade e boa música, bem no centro da cidade.

Entre outras atrações, passaram pelo local os blocos Samba Brilha, Tambores de Olokum e Apafunk. Nesta terça-feira, o evento será encerrado ao som da roda de coco do grupo Zanzar e dos grupos Terreirada Cearense e Caramuela, todos representantes da cultura popular brasileira. Afinal, a valorização da diversidade dos alimentos cultivados pelos pequenos agricultores passa também por uma outra perspectiva de cultura de uma forma geral. O saber tradicional se verifica nas suas mais diversas formas de expressão.

No caso do campo, a maior luta é contra a massificação imposta pela monocultura do agronegócio, como afirmou o coordenador da Concrab, cooperativa nacional que comercializa os produtos do MST, Milton Fornazieri:

- O papel do assentamento é produzir alimento saudável. Mas isso é cada vez mais difícil no Brasil, com o avanço do agronegócio.

Gustavo Noronha, superintendente do INCRA, ressaltou a tristeza pela ausência do militante Cícero Guedes, homenageado pela feira, mas comemorou a possibilidade de poder mostrar “a reforma agrária que dá certo”. Já o representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário, José Otávio, lembrou de Sebastião Lan, que foi assassinado nas mesmas circunstância de Cícero, há 10 anos:

- A culpa é da estrutura agrária brasileira. É do executivo, do legislativo, e principalmente do Judiciário, que é incapaz de se pronunciar sobre a desapropriação da Fazenda Cambahyba.

O diretor Nacional do MST Marcelo Durão, afirmou que estamos passando pelo pior período para a reforma agrária no país:

- Já podemos falar de uma contra reforma agrária. Não conseguimos mais conquistar territórios, e estamos perdendo os que tínhamos, especialmente com os indígenas e os quilombolas.

Atualmente, indígenas e quilombolas sofrem uma grave situação de insegurança alimentar, o que está diretamente relacionado com a perda de territórios. Sem ter onde produzir, as populações ficam completamente expostas à fome. Por outro lado, crescem os grandes latifúndios brasileiros e vê-se um afrouxamento da legislação ambiental, com o objetivo de permitir a expansão do agronegócio. Alguns alimentos estão desaparecendo, ao serem preteridos em função da monocultura, e cresce o uso de agrotóxicos para manter este modelo de produção. O Brasil é hoje um dos maiores consumidores de agrotóxicos no mundo.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium