Cientistas alertam que aquecimento global desorganiza padrão de chuvas

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • TSE considera hipótese de poupar Michel Temer

    LER MAIS
  • Na China, “a problemática da ecologia, vista como um luxo, choca-se com a do emprego, que é vita

    LER MAIS
  • “Atualmente, o mundo não cria desenvolvimento, mas mais pobreza”, afirma arcebispo argentino, a

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

06 Dezembro 2013

Um novo efeito do aquecimento global pode ser incluído na já grande lista de prejuízos ao planeta causados pelo fenômeno.

Trata-se de uma alteração no padrão de chuvas ocorridas na Terra, fazendo com que áreas secas registrem menos precipitações e tornem-se ainda mais áridas e que áreas propensas a inundações recebam ainda mais água.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 05-12-2013.

Segundo um estudo conduzido por cientistas do Lawrence Livermore National Laboratory, na Califórnia, nos Estados Unidos, a mudança tem relação apenas com a atividade humana e não estaria ocorrendo devido a causas naturais.

O estudo é destaque no periódico científico Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os pesquisadores dizem que as emissões de gases nocivos à atmosfera afetam a distribuição das chuvas de duas formas: tornando, pelo aumento da temperatura, mais extremas as condições de áreas secas e bem irrigadas; e alterando padrões de circulação atmosférica que empurram tempestades e zonas de clima subtropical árido rumo aos polos do planeta.

Culpa do homem

Para chegar à conclusão, o time liderado pela pesquisadora Céline Bonfils, que assina o estudo, comparou modelos de previsão climática com dados do Global Precipitation Climatology Project (em período abrangendo de 1979 a 2012), permitindo garantir que variáveis climáticas naturais como os fenômenos El Niño e La Niña não exercem influência sobre essa desorganização do padrão de chuvas no mundo.

"A combinação de gases que acarretam em efeito estufa e a destruição da camada de ozônio em nossa atmosfera são as prováveis causas da intensificação de chuvas e sua redistribuição no planeta", diz Céline na divulgação do estudo.

"O fato de identificarmos em nossas observações a atuação simultânea desses dois agentes é uma forte evidência de que o homem está alterando o padrão global de chuvas", alerta.