Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

A comunicação do Papa Francisco e a ''cultura do encontro'': das palavras aos gestos

O “Magistério comunicacional” de Francisco – centrado no diálogo com todos e encarnado em seus sorrisos, abraços, telefonemas, cartas, entrevistas – serve de bússola para encontrar os caminhos, em cada contexto específico, que levem à construção de uma autêntica “cultura do encontro”.

A opinião é do jornalista Moisés Sbardelotto, doutorando em Ciências das Comunicação pela Unisinos e autor do livro E o Verbo se fez bit: A comunicação e a experiência religiosas na internet (Ed. Santuário, 2012). O artigo foi publicado na revista O Mensageiro de Santo Antônio, de novembro de 2013.

Eis o texto.

Desde a sua eleição, o Papa Francisco tem sido um exemplo da íntima ligação entre palavra e gesto, discurso e ação, anúncio e testemunho, reflexão e prática – em suma, um exemplo da autêntica práxis. Assim foi logo na sua apresentação ao mundo como papa, quando convidou a um caminho de “fraternidade, de amor, de confiança” juntos, “bispo e povo”, e subverteu a histórica bênção Urbi et Orbi, primeiro inclinando-se diante do povo para pedir a sua oração. Dessa forma, Francisco reconhece esse “outro” multitudinário que está à sua frente, pessoas diferentes dele mesmo, que também têm algo a oferecer, que demandam uma atitude de escuta, abertura e acolhida. E, ao encerrar a noite, Francisco disse um simples e natural “Boa noite e bom descanso!”, estabelecendo um diálogo direto e humano entre pessoas que compartilham os mesmos desejos e necessidades, como dormir e descansar.

Com gestos e palavras como esses, em menos de um ano de pontificado, Francisco foi revolucionando a comunicação dentro e fora da Igreja. Uma síntese da sua práxis comunicacional pode ser encontrada no tema proposto por ele para a sua primeira mensagem ao Dia Mundial das Comunicações Sociais, a ser celebrado em 2014: “Comunicação a serviço de uma autêntica cultura do encontro”. A ideia da “cultura do encontro” foi abordada pelo papa principalmente em duas ocasiões, em contraponto à “cultura da exclusão”, do “descartável”, da “globalização da indiferença”.

Na missa com o clero e os religiosos presentes na Jornada Mundial da Juventude, no dia 27 de julho, Francisco afirmou: “O encontro e o acolhimento de todos, a solidariedade (...) e a fraternidade são elementos que tornam a nossa civilização verdadeiramente humana. Temos de ser servidores da comunhão e da cultura do encontro”. E, na sua primeira Mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, o papa defendeu a cultura do encontro como “a única capaz de construir um mundo mais justo e fraterno, um mundo melhor”.

Tendo em vista o serviço a essa cultura, qual o papel da comunicação? E, a partir do exemplo do papa, quais são as dinâmicas e as lógicas comunicacionais que colaboram com a construção dessa cultura? Retomar seus inúmeros e surpreendentes gestos e palavras renderia uma biblioteca inteira. Aqui, quero me deter sobre quatro momentos-chave que explicitam intuições de Francisco para o agir comunicacional de toda a Igreja, encarnadas no diálogo com todos.

O primeiro deles foi o encontro com os representantes dos meios de comunicação após o conclave, no dia 16 de março. O costume dizia que, ao fim da audiência, o papa deveria conceder a sua bênção aos presentes traçando o Sinal da Cruz. Mas Francisco surpreendeu ao dizer: “Como muitos de vocês não pertencem à Igreja Católica e outros não são crentes, de coração eu dou a bênção em silêncio, a cada um de vocês, respeitando a consciência de cada um, mas sabendo que cada um de vocês é filho de Deus. Que Deus os abençoe!” – e simplesmente levantou a mão direita para se despedir. Assim, somando gesto e ação, Francisco reiterou a necessidade, para uma comunicação realmente humana, de reconhecer a existência de um “outro”, que é totalmente diferente de nós, que não compartilha necessariamente tudo o que somos e pensamos, mas que merece o mesmo respeito de “filho de Deus”.

E a ação evangelizadora da Igreja deve começar justamente a partir do reconhecimento dessa alteridade. Missão, no rastro de Francisco de Assis, é “encontrar, ouvir, dialogar, ajudar, espalhar fé e amor. Sobretudo amor”, disse o pontífice em uma entrevista concedida ao jornal italiano La Repubblica, no dia 1º de outubro. Por isso, “o proselitismo é uma solene bobagem (sciochezza). Não tem sentido”, exclamou. “É preciso se conhecer – continuou Francisco –, se ouvir e fazer crescer o conhecimento do mundo que nos circunda”. Na missa desse mesmo dia, Francisco reafirmou essa ideia: “A Igreja, dizia-nos Bento XVI, não cresce por proselitismo, cresce por atração, por testemunho”.

Um segundo momento foi a carta aberta endereçada ao diretor-fundador do La Repubblica, o jornalista Eugenio Scalfari, personalidade proeminente da intelligentzia italiana e ateu assumido. Em 2013, Scalfari escreveu dois artigos dirigidos pessoalmente a Francisco, questionando alguns ensinamentos e posicionamentos da Igreja. Em um gesto histórico, o papa respondeu ao jornalista com uma carta publicada no próprio jornal. Nela, retomando o Concílio Vaticano II, Francisco afirmou que “chegou agora o tempo (…) de um diálogo aberto e sem preconceitos que reabra as portas para um sério e fecundo encontro” entre a Igreja e a cultura contemporânea. Para poder estabelecer tal diálogo, segundo o papa, é preciso reconhecer a verdade não a partir de sua dualidade absoluta/relativa, mas sim como relacional: para a fé cristã, a verdade é “o amor de Deus por nós em Jesus Cristo. Portanto, a verdade é uma relação!”, afirmou.

Só a partir desse reconhecimento é possível estabelecer um “diálogo sereno e construtivo” com a cultura, sem aprioris que o engessem e o transformem em monólogo. Assim, a alteridade, a diversidade e as verdades do outro ajudam a descobrir a identidade, a unidade e a verdade do nosso próprio ser. Na conclusão, o papa convida o jornalista a acolher as suas reflexões “como a resposta tentativa e provisória, mas sincera e confiante, ao convite de fazer um trecho de estrada juntos”. E assim é toda comunicação: tentativa e provisória, visto que não controlamos nem o nosso próprio discurso – que sempre é posto em circulação em um caldo cultural que nos inclui, mas nos supera –, nem o nosso interlocutor – que sempre é um “outro” por excelência, que age de forma ativa, produtiva e criativa, jamais passiva, ao que lhe oferecemos.

Um terceiro momento foi a sua longa entrevista concedida às principais revistas jesuítas do mundo, publicada no dia 19 de setembro. Nela, Francisco reconhece que “o homem, com o tempo, muda o modo de perceber a si mesmo”, e assim “também as formas de expressão da verdade podem ser multiformes, e isto é necessário para a transmissão da mensagem evangélica no seu significado imutável”. É necessária, portanto, uma comunicação que saiba atualizar e diversificar seus meios e mediações diante de cada novo contexto e situação. Por isso, afirmou, em termos eclesiais, “a primeira reforma deve ser a da atitude. Os ministros do Evangelho devem ser capazes de aquecer o coração das pessoas, de caminhar na noite com elas, de saber dialogar”. E esse diálogo deve ser estabelecido “com todos, mesmo com os mais distantes e os adversários”.

Um quarto momento que gostaria de destacar foi o discurso do papa na Plenária do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais (PCCS), no dia 21 de setembro. Diante dos principais responsáveis pela comunicação da Igreja Católica mundial, Francisco reiterou a comunicação não como um “setor” da Igreja, mas sim como uma “dimensão existencial”. Nesse sentido, é preciso uma Igreja que saiba “dialogar com o homem de hoje e levá-lo ao encontro com Cristo”. E esse desafio não é de ordem tecnológica: “O problema fundamental não é a aquisição de tecnologias sofisticadas, embora necessárias para uma presença atual e válida” da Igreja na cultura atual.

“No contexto da comunicação – afirma Francisco –, é preciso uma Igreja que consiga levar calor, inflamar o coração”. Pois “a Igreja é mãe”, como disse o papa ao jornalista brasileiro Gerson Camarotti. “Nem você nem eu conhecemos uma mãe por correspondência. A mãe dá carinho, toca, beija, ama”. Assim deve ser a Igreja, e a sua práxis comunicacional deve se encarnar na realidade, na ação e na relação com o outro, pois “comunicação pela metade não faz bem”. A questão é sermos e reconhermo-nos como coartífices de uma comunicação em que o verdadeiro Artífice, como disse Francisco à Plenária do PCCS, é “o Deus em quem acreditamos, um Deus apaixonado pelo homem”, que “quer se manifestar através dos nossos meios, ainda que pobres, porque é Ele que opera, é Ele que transforma, é Ele que salva a vida do homem”.

O “Magistério comunicacional” de Francisco – centrado no diálogo com todos e encarnado em seus sorrisos, abraços, telefonemas, cartas, entrevistas – nos desafia e nos serve de bússola para encontrar os caminhos, em cada contexto específico, que levem à construção de uma autêntica “cultura do encontro”.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium