Vaticano celebra Fellini

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Irã. A história política do país persa, xiita e anti-imperialista

    LER MAIS
  • Com acusação de ambientalistas que trabalham na proteção da Amazônia, "o medo está instalado", diz Libération

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Novembro 2013

A Rádio Vaticano comemora o 20º aniversário da morte de Federico Fellini, ocorrida no dia 31 de outubro de 1993, entrevistando o jesuíta Virgilio Fantuzzi, crítico de cinema da revista Civiltà Cattolica que conheceu pessoalmente o diretor e frequentou, como observador, os seus sets na Cinecittà, além de ser coirmão daquele Papa Jorge Mario Bergoglio que elogiou publicamente, justamente na Civiltà Cattolica, o filme La Strada ("La strada de Fellini é talvez o filme de que mais gostei. Identifico-me com aquele filme, no qual está implícita uma referência a São Francisco").

A reportagem é de Giacomo Galeazzi, publicada no blog Oltretevere, 31-10-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"Eu gostaria de voltar um pouco", comenta Fantuzzi. "Antes de fazer filmes por conta própria, Fellini também trabalhou para uma grande quantidade de outros diretores e, em particular, colaborou com Roberto Rossellini em um filme que é uma obra-prima absoluta. Chama-se Francesco, giullare di Dio. Portanto, Fellini trazia consigo um pouco de espírito franciscano: esse amor pelas criaturas simples, pelos pobres, pela natureza, Fellini trazia consigo também a partir dessa escola. Eu acredito que uma veia de franciscanismo pode ser captada em todo aquele filão do cinema italiano daquele período".

Em 1960, lembra a Rádio Vaticano, a estreia de La dolce vita pôs o mundo católico contra Fellini: depois, foi um artigo do padre Fantuzzi na Civiltà Cattolica que reconheceu o pano de fundo católico do diretor.

"O mundo católico – lembra agora o jesuíta – ficou dividido: alguns eram contra Fellini, e outros eram a favor. Por exemplo, o padre Baraghi, meu antecessor na Civiltà Cattolica, era violentamente contrário, e houve intervenções do L'Osservatore Romano particularmente pesadas. Na época, eu era um jovem estudante, era muito próximo do padre Arpa [padre Angelo Arpa, o padre "de confiança" de Fellini] e eu pensava que os católicos intransigentes tinham cruzado a linha. Portanto, depois de muito tempo, quando eu cheguei à Civiltà Cattolica, eu comecei também a me ocupar de cinema, e Fellini ainda estava vivo. Eu pensei que Fellini tinha direito a uma espécie de ressarcimento e tentei fazer o meu melhor para reequilibrar um pouco a situação".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vaticano celebra Fellini - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV