O homem que colocou o Papa na rede

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais angelicalidade: a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Outubro 2013

O espanhol Gustavo Entrala, 43, não se considera um bom católico, mas isso não impediu que sua agência 101 fosse contratada pelo Vaticano. Sua equipe é responsável pela entrada do primeiro papa, Bento XVI, nas redes sociais. Hoje, o Twitter do papa Francisco (@pontifex) contabiliza cerca de dez milhões de seguidores. Entrala, que visitou o Brasil para encontros e palestras, falou à coluna sobre o seu trabalho.

A entrevista é da coluna de Mônica Bergamo e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 21-10-2013.

Eis a entrevista.

Como você entrou em contato com o Vaticano?

Vi uma carta publicada por Bento XVI, em que ele dizia que algumas crises da igreja poderiam ter sido evitadas se eles aumentassem a comunicação pela internet. Escrevi oferecendo nossos serviços, mas não achei que alguém fosse ler. Quando Federico Lombardi (diretor de imprensa do Vaticano) me ligou, pensei que fosse brincadeira. Apresentamos um plano de comunicação e eles gostaram.

Você conheceu os dois últimos papas, Bento XVI e também o papa Francisco. Como eles lidam com a tecnologia?

Nesse ponto são iguais: muito pouco tecnológicos. Bento XVI nunca tinha visto um iPad na época em que criamos o aplicativo The Pope app. Coloquei fotos dele adolescente, com os irmãos e os pais. Ele ficou maravilhado. Francisco também não sabia muita coisa. Um bispo auxiliar de Buenos Aires fez até uma piada na época e disse que a última tecnologia que o papa havia usado era uma máquina Olivetti. Insistimos e deu certo.

O papa cria os tuítes da conta?

Francisco escreve mais ou menos 50% do conteúdo. O resto é da equipe, que posta frases ditas por ele. O papa entende muito bem o processo e a finalidade das redes sociais, que é alcançar as pessoas. Ele é naturalmente aberto, diferente do Bento, que, apesar de ser afetuoso no trato pessoal, ficava mais retraído ao se comunicar com multidões.

O atual papa é bem mais pop.

Na época de Bento XVI, o Twitter papal tinha cerca de três milhões de seguidores. Hoje, tem dez milhões. A palavra que mais acompanha tuítes sobre o atual papa em inglês e espanhol é "cool" e "mola", o equivalente a legal.

Qual é a estratégia usada?

Vejo a igreja católica como uma marca. Uma marca tem que emocionar. Nós nos apoiamos no carinho que as pessoas sentem pelo papa. Apesar de crises como a questão da pedofilia e a opinião sobre os homossexuais, ainda não existe ninguém tão querido quanto o papa. Nós trabalhamos com isso. As pessoas estão encantadas em poder falar com o Vaticano pelo Facebook.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O homem que colocou o Papa na rede - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV