Atingidos e ameaçados cobram da Eletrobrás cancelamento de Garabi e Panambi

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • As duras palavras de Francisco à Igreja: as murmurações abafam a profecia

    LER MAIS
  • Uma espiritualidade do viver

    LER MAIS
  • Crise alimentar mundial: “Estamos à beira de uma pandemia de fome”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Outubro 2013

Na última sexta-feira, dia 4, aproximadamente 700 ameaçados pelas barragens de Garabi e Panambi do Brasil e da Argentina participaram de uma grande reunião com o representante da Eletrobrás, Valter Cardeal, e com o Grupo de Trabalho criado pelo governo do estado do Rio Grande do Sul para discutirem sobre os projetos das duas barragens, previstas para o trecho internacional do rio Uruguai, entre o Brasil e a Argentina. A reunião, que aconteceu na cidade gaúcha de Santa Rosa, também reuniu famílias ameaçadas pela UHE de Itapiranga.

Reportagem é publicada pelo Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB, 08-10-2013.

Entre as autoridades representantes do governo do estado do Rio Grande do Sul estiveram presentes o secretário de estado do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, Marcelo Danéris; o secretário do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, Ivar Pavan; e o secretário de Planejamento, João Mota.

O clima de tensão esteve presente em todo o período da reunião e qualquer manifestação por parte das autoridades que apoiava a construção das obras ou que mencionava indenizações e valores foi amplamente vaiada pela população, que também reclamou de falta de informação sobre os projetos.

As lideranças do MAB, como os pescadores e agricultores, as lideranças argentinas, comerciantes e os representantes dos sem terra e das igrejas demarcaram nas suas falas uma posição bastante firme contra a construção das duas obras e questionaram a postura do governo brasileiro em querer construí-las.

Os representantes do governo do estado também questionaram a postura até aqui adotada pela Eletrobrás, que não informa devidamente o próprio governo gaúcho, os prefeitos da região e principalmente a população.

Outra posição defendida pelo governo estadual foi a de que, se as barragens vierem a ser construídas, antes mesmo das obras físicas iniciarem cabe às empresas construtoras preverem e pagarem todos os custos sociais e ambientais que possam ocorrer com a obra.

“Não pode e não deve sobrar nem para a população, nem para o governo do estado e municípios pagarem a conta destas obras”, alertou o secretário Ivar Pavan. Entre as propostas defendidas por ele está a compra antecipada de grandes áreas de terra para reassentamento das famílias. Todos os presentes elogiaram o fato de que, pela primeira vez na história do estado, o governador Tarso Genro tenha criado um Grupo de Trabalho com a responsabilidade de acompanhar todas as questões sociais e ambientais da obra.

Como um dos encaminhamentos da reunião, ficou definido que todos os trabalhos a campo continuam paralisados, no mínimo até que sejam feitas as reuniões nos 19 municípios ameaçados, previstas para ocorrerem nos próximos dois meses. Esta é uma das principais reivindicações das famílias ameaçadas. O governo do estado, o MAB e a Eletrobrás farão uma agenda de trabalho marcando e realizando estas reuniões em todos os municípios.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Atingidos e ameaçados cobram da Eletrobrás cancelamento de Garabi e Panambi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV