Índios fazem enterro simbólico de ruralistas e divulgam manifesto em Brasília

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • TSE considera hipótese de poupar Michel Temer

    LER MAIS
  • Comemoração conjunta católico-luterana: um sinal de esperança a um mundo dividido

    LER MAIS
  • “Atualmente, o mundo não cria desenvolvimento, mas mais pobreza”, afirma arcebispo argentino, a

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 04 Outubro 2013

Gleisi Hoffmann, Luís Inácio Adams, Kátia Abreu e Ronaldo Caiado foram alvo dos protestos. Manifesto reforça reivindicação de arquivamento de propostas anti-indígenas e retomada de demarcações.

A reportagem e as fotos são publicadas pelo Comitê de Imprensa da Mobilização, 03-10-2013, vinculada à Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), que promove a Semana de Mobilização Nacional Indígena.

Os quase 1,5 mil indígenas, de mais de 100 diferentes etnias, que estão acampados em frente ao Congresso, em Brasília, promoveram, hoje (3/10), um enterro simbólico de parlamentares ruralistas, da ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams.

Eles cavaram uma cova no gramado em frente à sede do Legislativo, enterraram um caixão com fotos e fixaram cruzes no local. Depois, entoaram cantos e dançaram. Entre os “enterrados”, estavam a senadora Kátia Abreu (PSD-TO), presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), e o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO).

Hoffmann é uma das autoras da ideia de incluir, na análise das demarcações de Terras Indígenas, órgãos vinculados ao agronegócio, como o Ministério da Agricultura. Se concretizada, a ideia deve paralisar definitivamente novas demarcações. Há alguns meses, ela pediu ao Ministério da Justiça a paralisação das demarcações no Paraná e Rio Grande do Sul. Adams publicou, e depois suspendeu, a Portaria 303/2012 da Advocacia-geral da União, que restringe drasticamente os direitos dos índios sobre suas terras.

Pouco antes do enterro, os indígenas divulgaram e entregaram a um grupo de deputados um manifesto em que reforçam as reivindicações da Mobilização Nacional Indígena, que começou na segunda (30/9) e vai até sábado (5/10), quando a Constituição completa 25 anos. Eles exigem o arquivamento dos vários projetos contra os direitos indígenas que tramitam no Congresso, a revogação de medidas anti-indígenas do governo federal e a retomada das demarcações de Terras Indígenas, entre vários outros pontos.

Durante toda a semana, estão acontecendo protestos e atividades em defesa da Constituição, dos direitos de povos indígenas e tradicionais e do meio ambiente. Várias rodovias, em diversos pontos do país, são alvo de bloqueios.