A busca de um sentido. Artigo de Umberto Galimberti

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • O que significa ser padre hoje? Artigo de Timothy Radcliffe

    LER MAIS
  • Jacques Dupuis: um caso aberto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Setembro 2013

Francisco e Bento XVI instauram um diálogo com o mundo laico em que se reafirma a superioridade da visão religiosa do mundo com relação à laica.

A opinião é do filósofo, antropólogo e psicólogo italiano Umberto Galimberti, professor da Universidade Ca' Foscari, de Veneza. O texto foi publicado no jornal La Repubblica, 25-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

No diálogo que o Papa Francisco e Bento XVI instauraram com o mundo laico, respondendo às perguntas de Scalfari e às posições de Odifreddi, eu vejo reafirmada, por parte do magistério da Igreja, a superioridade da visão religiosa do mundo com relação à laica.

Francisco acolhe os não crentes com a condição de que sigam a retidão da sua consciência (e aqui estamos próximos do princípio do protestantismo), mas que seja bem-vinda essa acolhida, com relação a posições anteriores de intransigência. Bento XVI, ao invés, pergunta a Odifreddi quais respostas o uso da razão somente é capaz de dar à dor, ao amor ou ao problema do mal.

À parte do mal, ao qual a religião, há séculos, também não é capaz de dar uma resposta plausível, partindo da premissa de que Deus é bondade absoluta, no que se refere à dor ou ao amor, são dimensões humanas que pertencem à esfera do irracional, sobre a qual a razão não se interroga, porque, como dizia Kant, são questões que ultrapassam os seus limites.

A religião, através da fé, ultrapassa esses limites, projetando na transcendência a resposta para essas problemáticas; embora a razão esteja na busca contínua de uma superação dos seus conhecimentos, porque esta, como reitera Kant, é "uma exigência incondicional" da natureza humana.

Mas uma coisa é chegar até onde a razão pode provar suas justificativas, outra é ultrapassar essa fronteira e avançar com a fé na escuridão do mistério. Isso a razão não pode fazer. E aqui o diálogo se detém, porque a razão reconhece o seu próprio limite, que a fé, sem justificativa racional e sem hesitação, ultrapassa.

Nota da IHU On-Line: Umberto Galimberti participará do XIV Simpósio Internacional IHU: Revoluções tecnocientíficas, culturas, indivíduos e sociedades - A modelagem da vida, do conhecimento e dos processos produtivos na tecnociência contemporânea, que ocorrerá de 21 a 24 de outubro de 2014, na Unisinos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A busca de um sentido. Artigo de Umberto Galimberti - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV