O sentimento dos EUA depois das declarações do papa sobre gays e aborto

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • Francisco desafia Trump com primeiro cardeal afro-americano

    LER MAIS
  • Surgem provas de que o Vaticano censurou o Papa Francisco em 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Setembro 2013

As declarações do Papa Francisco em uma entrevista publicada na semana passada de que a Igreja Católica tem sido muito "obcecada" pela homossexualidade e pelo aborto, e deveria se concentrar mais em ser uma "casa para todos", conquistaram uma alta aprovação tanto de católicos quanto de não católicos, de acordo com uma nova pesquisa realizada pelo HuffPost/YouGov.

A reportagem é de Jaweed Kaleem, publicada no sítio The Hufftington Post, 24-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A pesquisa constatou que 46% dos católicos dos EUA acham que as considerações de Francisco, durante uma entrevista à revista jesuíta La Civiltà Cattolica, refletem uma "boa mudança" na direção da Igreja, enquanto 20% dizem que a sua opinião sobre as questões "não vão longe o suficiente para mudar a política da Igreja".

Apenas 15% dos católicos disseram que o papa se desviou para "muito longe dos valores tradicionais da Igreja", enquanto 19% não tinham certeza sobre como se sentiam.

Durante a entrevista, pouco depois de seis meses no papado, Francisco disse que a Igreja "às vezes encerrou-se em pequenas coisas, em pequenos preceitos" e, se ela não mudar, estaria em perigo de cair "como um castelo de cartas".

Embora o papa não tenha defendido a mudança de posição da Igreja sobre a homossexualidade, o aborto ou a contracepção, seus comentários, que se seguiram a uma entrevista concedida no avião no retorno do Rio de Janeiro na qual ele disse que não era o seu papel julgar os gays, têm sido aclamados por organizações dos direitos dos homossexuais. A Human Rights Campaign disse na semana passada que Francisco pressionou o botão de "reset" na relação da Igreja com as pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneras.

Na pesquisa, 81% dos católicos disseram acreditar que o papa teve um efeito "muito positivo" ou "positivo" sobre a Igreja, enquanto 76% disseram ter uma visão "muito favorável" ou "favorável" sobre ele. Pontos de vista negativos sobre Francisco e sobre o seu efeito sobre a Igreja foram sustentados por menos de 10% dos católicos entrevistados.

Quando perguntados sobre o que gostariam que o papa fizesse se tivessem uma escolha, 49% dos católicos entrevistados disseram que ele deveria "mudar as políticas da Igreja para refletir as atitudes dos católicos hoje".

Enquanto isso, 37% dos entrevistados disseram que o papa deveria manter as posições tradicionais da Igreja.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O sentimento dos EUA depois das declarações do papa sobre gays e aborto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV