O ''sim'' ao jejum do sábado e o ''não'' dos povos à guerra. Artigo de Claudio Sardo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


07 Setembro 2013

A guerra na Síria, como as outras no Mediterrâneo, cresceram e semearam dezenas e dezenas de milhares de mortes também pela incapacidade do Ocidente e da Europa de se fazerem promotores de desenvolvimento e de coexistência. É hora de mudar de rumo. O tempo é agora.

A opinião é do jornalista e escritor italiano Claudio Sardo, diretor do jornal L'Unità, 05-09-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Sim ao jejum do sábado pela paz. Acolhemos e relançamos o apelo do Papa Francisco, que já se tornou um evento mundial. É preciso deter a guerra na Síria.

É preciso impedir que um ataque ocidental desencadeie uma reação devastadora e ingovernável, no Oriente Médio e além. É preciso abrir uma negociação para se chegar a uma solução política e enfrentar a emergência humanitária.

O jejum é repleto de fortes significados religiosos. No próximo sábado será uma oração comum dos pessoas de diversas fés. Mas o jejum também é um protesto civil, laico. Que testemunha os valores da não violência, da solidariedade, da unidade. Quem quer a paz deve logo se fazer um construtor de paz. É o momento de levantar forte esse grito. E de gritar juntos.

Mulheres e homens de fés, de culturas, de países distantes e diferentes. A guerra nunca será a solução. Ao contrário, no nosso tempo, pode gerar destruição e morte muito além de qualquer planejamento estratégico. O apelo do papa tornou-se, nestas horas – enquanto em São Petesburgo os líderes do G20 se reúnem –, o maior contrapeso mundial à guerra. Pode ser o gatilho pacífico de uma opinião pública sem fronteiras, que deseja a paz e quer agir por ela.

A guerra na Síria, como as outras no Mediterrâneo, cresceram e semearam dezenas e dezenas de milhares de mortes também pela incapacidade do Ocidente e da Europa de se fazerem promotores de desenvolvimento e de coexistência. É hora de mudar de rumo. O tempo é agora.

O jejum certamente não exonera as responsabilidades específicas dos governantes, mas um pouco da responsabilidade somos nós que devemos assumir.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O ''sim'' ao jejum do sábado e o ''não'' dos povos à guerra. Artigo de Claudio Sardo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV