MST bloqueia BR-163 e pede cancelamento de leilão de hidrelétrica em Mato Grosso

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS
  • Massacre de Paraisópolis é a falta do reconhecimento da cultura periférica, diz Raquel Rolnik

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Agosto 2013

O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) bloqueia a BR-163, entre Sinop e Itaúba, na região norte de Mato Grosso desde esta segunda-feira (26). Outro grupo ocupa a sede do Instituo Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Cuiabá. Já são três dias de protestos.

A reportagem é de Daniela Torezzan, publicada por ICV e reproduzida por amazonia.org.br, 28-08-2013.

Segundo Marciano da Silva, um dos líderes do MST, a pauta de reivindicações inclui questões antigas, como o assentamento de 150 famílias e a regularização dos assentamentos do movimento na região norte do estado. Mas ele destaca uma urgência: o cancelamento do leilão da Usina Hidrelétrica de Sinop, prevista para esta quinta-feira, dia 29. O motivo é a não inclusão do assentamento 12 de Outubro, localizado em Cláudia, na divisa com Sinop, no Estudo de Impacto Ambiental e no Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) da obra. De um total de 6.374 hectares do assentamento, mais de 2 mil hectares serão alagados pelo reservatório da usina. No Assentamento moram 187 famílias de agricultores que vivem do extrativismo florestal e que serão diretamente afetadas pelas obras.

“Essas pessoas vão ter suas casas alagadas e ninguém está se importando com isso. Vão perder tudo, inclusive a floresta de onde tiram o sustento. E no documento da usina, é como se não tivesse gente lá!”, denunciou.

Em 2013, durante uma reunião no assentamento, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) se negou a incluir as reivindicações feitas pelos assentados. Após várias denúncias, lideradas pelo Fórum Teles Pires, rede que acompanha as discussões sobre as usinas hidrelétricas previstas para o rio Teles Pires, o INCRA produziu um ofício informando a EPE sobre a existência do assentamento. Ainda assim, não foram incluídas as medidas para compensar os impactos socioambientais no assentamento.

O EIA-Rima da UHE Sinop também é questionado, desde julho de 2011, pelo Ministério Público Estadual, através de uma Ação Civil Pública, que apontou erros e vícios no documento, mas que, até agora, faltando poucos dias para o leilão da obra, ainda aguarda julgamento.

A previsão é de que essa UHE gere 400 MW e funcione como uma caixa d’água para as demais usinas previstas no complexo Teles Pires, regulando o nível de água distribuído. O reservatório inundará 33 mil hectares entre os municípios de Cláudia e Sinop, localizados às margens da BR-163, na região norte de Mato Grosso.

Segundo o MST, até a manhã desta quarta-feira, o governo federal ainda não havia se manifestado sobre a questão. Por isso, a previsão é de que tanto o bloqueio na BR-163 quanto a ocupação da sede do Incra na capital mato-grossense continuem.

Veja o vídeo sobre o caso clicando aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

MST bloqueia BR-163 e pede cancelamento de leilão de hidrelétrica em Mato Grosso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV