Seattle foi a faísca

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • Vida religiosa: com boa saúde, mas muitos abandonam

    LER MAIS
  • A revanche das periferias. Até a Civiltà Cattolica se enfurece com o cardeal Sarah

    LER MAIS
  • Francisco. “A verdade de Cristo não é para solistas, mas sinfônica”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 05 Agosto 2013

Seattle foi uma faísca. Em 1999, milhares de manifestantes ocuparam as ruas contra o sistema capitalista, impedindo a rodada da OMC. Depois, o rastilho de pólvora se alastrou mundo afora: floresceu um forte movimento antiglobalização com manifestações em São Paulo, Quebec, Praga, Melbourne, Gênova, Davos, e a estreia do Fórum Social Mundial em Porto Alegre, aglutinando anarquistas, intelectuais e políticos, no início dos anos 2000.

Nesse contexto mergulharam o fotógrafo André Ryoki e o filósofo Pablo Ortellado, autores de Estamos Vencendo (Conrad, 2004). Parte do livro, as fotos deste ensaio foram feitas em São Paulo, entre 2000 e 2002.

Historiador e atualmente roteirista, André Ryoki concedeu entrevista à Juliana Sayuri do jornal Estado de S.Paulo, 03-08-2013, sobre a estética dos protestos de ontem e de hoje.

Eis a entrevista.

O livro parte de Seattle, mas as fotos focam São Paulo. Há um link entre essas cidades?

Totalmente, pois era um movimento internacional, que queria questionar, com a alternativa "outro mundo é possível", a globalização que se firmava na época. Essas cidades passavam por contextos históricos similares, com o auge do neoliberalismo e das políticas de Estado mínimo, que tiveram impactos socioeconômicos não só na América Latina e no Brasil, mas nos países centrais do capitalismo.

Quer dizer, as fotos poderiam simbolizar São Paulo ou qualquer outra metrópole?

Não diria isso, pois vejo uma diferença estética nas manifestações. Existia uma especificidade no Brasil: o caráter lúdico. A ideia era ocupar a cidade. A metrópole concretiza as relações entre o capital e o trabalho, de uma forma muito cruel. Os manifestantes queriam ir para a rua e inverter essa lógica. Afinal, a gente não quer apenas cruzar a cidade para ir trabalhar. A gente quer se divertir, fazer festa, vestir fantasia. "Brincar", mas não de uma maneira leviana - e sim para subverter a ordem urbana. Essa proposta lúdica era uma especificidade da época, não vejo isso nas manifestações atuais.

E a repressão policial era muito diferente?

Era tão truculenta quanto é hoje. Isso não mudou muito - e lá se foram quase 15 anos. A questão é que as manifestações atuais conquistaram uma dimensão muito maior. Na época o pessoal apanhava pra caramba, com as mesmas balas de borracha, as mesmas bombas, o mesmo gás lacrimogêneo. Os fotógrafos apanhavam como apanham hoje. A diferença, crucial, é que a imprensa não noticiava isso.

As manifestações se ancoravam em movimentos horizontais, sem hierarquia nem líderes. Isto é, bebiam nas fontes do anarquismo. Eram organizações autônomas, em que cada um decide seu grau de envolvimento e seu papel. Os anarquistas não estão "voltando", porque nunca foram embora. Esses movimentos se contrapõem à organização partidária, que visa ao poder institucional. O alvo é outro: eles querem viver a própria utopia nas manifestações.

Que perspectiva você pretendia oferecer?

Queria documentar o pessoal se apropriando da rua. E é impossível ser imparcial. A foto diz o que você pensa sobre a realidade. Nunca me preocupei em fazer essa diferenciação - eu fotógrafo versus eu ativista. O meu olhar tinha um lugar, um porquê.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Seattle foi a faísca - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV