O retorno dos pobres. Artigo de Enzo Bianchi

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Julho 2013

O retorno do tema dos pobres e da pobreza é uma grande esperança para a Igreja e para as pessoas, porque o grito dos pobres do mundo e a capacidade da Igreja de ouvi-lo é um dos grandes sinais do nosso tempo.

A opinião é do monge e teólogo italiano Enzo Bianchi, prior e fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado na revista Jesus, de julho de 2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Na época do Concílio, entre os cristãos, estavam vivas uma atenção e uma exigência: uma atenção aos pobres e uma exigência de pobreza na Igreja. Desde sempre, a Igreja sentiu que, na mensagem do Evangelho, os pobres ocupam um lugar privilegiado, que são os primeiros clientes de direito da boa notícia, que na atitude com relação a eles, necessitados e últimos, se decide a participação no reino de Deus ou a via mortífera que não conhece a verdadeira vida.

Mas, naquela época, se compreendia de modo mais aprofundado que a Igreja devia ser pobre. "Por uma Igreja serva e pobre" era o título de um livro de Yves Congar, um dos grandes inspiradores do Concílio, e a recepção dessa mensagem foi tal que até foi constituído um grupo de bispos comprometidos com uma pobreza pessoal e com um estilo pobre da pastoral a eles confiada.

Era a época da emergência dos pobres no Sul do mundo, a época da descoberta das jovens Igrejas saídas do colonialismo e às quais devia ser dada uma atenção não apenas missionária, mas também às suas condições de vida e ao seu possível desenvolvimento. Uma Igreja pobre e composta por cristãos pobres, à imagem de "Jesus", que "sendo rico se fez pobre" (2Cor 8, 9), para ser solidária em tudo conosco, seres humanos necessitados de salvação e de libertação.

Quantas vezes, então, ouvimos ressoar o texto das bem-aventuranças nas comunidades cristãs, quantas vezes eram citados os Padres da Igreja – Basílio de Cesareia, João Crisóstomo, Ambrósio de Milão, Gregório Magno – pelas suas palavras sobre os pobres, sobre a necessidade de compartilhar os bens e os recursos!

Havia um acalorado debate sobre a questão da pobreza e dos pobres em inúmeras comunidades. E não podemos esquecer que alguns pastores deram às suas comunidades cristãs textos de alta qualidade teológica, textos proféticos que receberam a atenção e a aprovação de Paulo VI, ele também muito sensível à questão da pobreza no mundo. Em Roma, o abade de São Paulo Fora dos Muros, Giovanni Battista Franzoni, com La terra è Dio; em Turim, o cardeal Michele Pellegrino, com Camminare insieme; só para citar dois textos que, para os cristãos na Itália, foram inspiradores de muitas escolhas pessoais e comunitárias.

Assim, na Igreja, elaborou-se a doutrina da "opção preferencial pelos pobres", em que a opção era um dever moral, e isso pareceu se tornar, na Igreja universal, um princípio fundamental da doutrina social da Igreja.

Em seguida, devemos reconhecer, principalmente o tema da Igreja pobre, pareceu desaparecer do horizonte eclesial, tanto que houve quem escrevesse: "Eu não quero uma Igreja pobre, mas sim uma Igreja mais rica, de modo que possa fazer mais bem aos pobres". Terrível mal-entendido do Evangelho, mas sempre possível também por parte daqueles que, na Igreja, deveriam estar entre os seus primeiros intérpretes...

E pensar que o Concílio tinha chegado a afirmar: "Como Cristo realizou a obra da redenção na pobreza e na perseguição, assim a Igreja é chamada a seguir pelo mesmo caminho para comunicar aos homens os frutos da salvação" (Lumen gentium, 8); e ainda: "A Igreja usa das coisas temporais, na medida em que a sua missão o exige. Mas ela não coloca a sua esperança nos privilégios que lhe oferece a autoridade civil; mais ainda, ela renunciará ao exercício de alguns direitos legitimamente adquiridos, quando verificar que o seu uso põe em causa a sinceridade do seu testemunho ou que novas condições de vida exigem outras disposições" (Gaudium et Spes, 76).

Houve um longo silêncio sobre o tema da Igreja pobre e para os pobres. É preciso reconhecer a verdade: nas nossas Igrejas (não nas do Sul do mundo), a questão não se tornava mais interessante. Permitam-me testemunhar que, principalmente desde 1990, quando propus para uma conferência o tema bíblico dos pobres ou da pobreza, sempre me opunham uma rejeição, dizendo que não era um tema atual e comunitariamente sentido.

E eis o advento do Papa Francisco (cujo nome lembra a todos o Poverello e a santa pobreza), que desde o início do seu ministério proclamou: "Ah, como eu gostaria de uma Igreja pobre e para os pobres" (Audiência aos representantes da mídia, 16 de março). E a partir daquele momento todas as vezes que tem a oportunidade, Francisco insiste nos pobres, até afirmar recentemente: "A comida que é jogada fora é como se fosse roubada da mesa de quem é pobres" (Audiência geral, 5 de junho) e ainda: "Acima de tudo, é preciso ir ao encontro dos pobres (...) o primeiro passo é sempre a prioridade aos pobres" (Congresso da Diocese de Roma, 17 de Junho).

Esse retorno do tema dos pobres e da pobreza é uma grande esperança para a Igreja e para as pessoas, porque – como defendia Marie-Dominique Chenu – o grito dos pobres do mundo e a capacidade da Igreja de ouvi-lo é um dos grandes sinais do nosso tempo.

É o Evangelho que volta. Já escrevemos e reescrevemos várias vezes: as brasas sob as cinzas são fogo, basta que alguém com um pequeno ramo mova as cinzas, e eis que o fogo arde novamente. O Evangelho é esse fogo frequentemente coberto pelas cinzas da Igreja e dos cristãos, mas, se alguém remove as cinzas, o Evangelho volta novamente a brilhar. Nós ficamos felizes com isso e por isso agradecemos o Papa Francisco: uma Igreja pobre e para os pobres é a Igreja de Jesus, é uma Igreja sempre composta por pecadores, mas capaz de levar a boa notícia aos pobres assim como o próprio Jesus fez (cf. Lc 4, 18).

https://www.google.com/url?q=http://www.ihu.unisinos.br/noticias/511340-ratzinger-e-congar-a-missao-da-igreja-segundo-o-concilio&sa=U&ei=e-HdUZv3N-moyAHm74DgCA&ved=0CAcQFjAA&client=internal-uds-cse&usg=AFQjCNHbeqQMxaNHet2cqe8vT2OwRS4bJQ

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O retorno dos pobres. Artigo de Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV