Savonarola e o cálice de madeira para recordar 25 mil mortos

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • A CNBB urge o governo a tomar “medidas sérias para salvar uma região determinante no equilíbrio ecológico do planeta”

    LER MAIS
  • Planeta em chamas. Artigo de Eliane Brum

    LER MAIS
  • Dia Mundial pelo fim do Especismo: 24 de agosto de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Julho 2013

Ajoelhado ao lado de um altar que é um barco, para pedir perdão a Deus por ter ignorado 20 anos de genocídio no mar. "De agora em diante, ninguém poderá fingir que não sabe", explicam na comitiva papal. Um "mea culpa" de tons muito claros pelas responsabilidades do mundo e da Igreja na tragédia sem fim dos boat people.

A reportagem é de Giacomo Galeazzi, publicada no jornal La Stampa, 08-07-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A primeira viagem de Francisco visa a sacudir o Ocidente da indiferença diante do holocausto no mar. Francisco celebrou o funeral das 25 mil vítimas das "viagens da esperança", abalando todo protocolo para encontrar os sobreviventes e prestar homenagem ao cemitério em que as mãos misericordiosas do pároco e dos pescadores sepultaram os corpos devolvidos pelo mar.

De uma lancha, Bergoglio joga uma coroa à "Porta da Europa", depois o abraço aos refugiados, a celebração no campo de esportes e a pausa na igreja de São Geraldo. Ao presidente da Conferência Episcopal Italiana, Bagnasco, foi negado o ingresso no centro, mas para Francisco não há nenhum programa que o contenha. Cada gesto é uma advertência contra a mundanidade, incluindo a escolha de rezar missa com um cálice de madeira.

Na homilia do Advento de 1493, Savonarola trovejou contra o luxo e a corrupção na hierarquia eclesiástica. Ele estigmatizou que, nas origens da Igreja, os cálices eram de madeira, e os prelados, de ouro, enquanto, no seu tempo, os cálices eram de ouro, e os prelados, de madeira. Savonarola foi primeiro excomungado, depois queimado como herege e cismático.

Agora, cinco séculos depois, é o papa que volta ao cálice de madeira e que condena a Cúria carreirista e sedenta de poder ("não se difunde o Evangelho com o dinheiro").

Para a primeira viagem do pontificado, o papa fez sua rota rumo aos mortos sem nome. Ainda incrédulos com a notícia, os fiéis o esperam em oração, em vigília na paróquia. Há dias, toda a população está em agitação por causa da chegada de Bergoglio, filho de imigrantes italianos na Argentina.

O papa que sonha com uma "Igreja pobre e para os pobres" escolheu os imigrantes e a população que carrega o peso da acolhida. Gestos e mensagens que falam também à Igreja italiana, indicando o estilo e as prioridades que o bispo de Roma pretende dar à missão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Savonarola e o cálice de madeira para recordar 25 mil mortos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV