Podemos chamar o casamento cristão de “aliança matrimonial”?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Manifesto do Laicato em apoio aos bispos que subscreveram a “Carta ao Povo de Deus” com 1440 assinaturas no primeiro dia

    LER MAIS
  • Com mais de 1.500 assinaturas, Padres da Caminhada relançam mensagem de apoio à Carta ao Povo de Deus dos bispos

    LER MAIS
  • “A pandemia viral é o resultado da pandemia psicológica e espiritual”, afirma Gastón Soublette

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 05 Julho 2013

É uma proposta muito séria feita por um sacerdote americano e postada no blog da diocese de Washington. Em resposta à decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de derrubar, em 26 de junho passado, o Defense of Marriage Act (Doma) [Lei de Defesa do Casamento], lei federal de 1996 que define o casamento como a união entre um homem e uma mulher, o que abre o caminho para a adoção do casamento homossexual na maioria dos Estados, Charles Pope se questiona sobre a possibilidade de os cristãos continuarem a utilizar o termo “casamento”.

 
Fonte: http://bit.ly/15cO8xv  

A reportagem é de Aymeric Christensen e publicada no sítio da revista francesa La Vie, 02-07-2013. A tradução é do Cepat.

A partir da observação de que esta palavra “não significa hoje a mesma coisa que no passado” e que quando a Igreja a utiliza “não quer mais dizer a mesma coisa que um número crescente de Estados”, Charles Pope sugere retomar uma expressão mais antiga para definir o sacramento de um ponto de vista católico: “aliança matrimonial” (“Holly Matrimony”), expressão utilizada no Catecismo da Igreja Católica.

“Para ser honesto”, precisa o sacerdote, a união de pessoas do mesmo sexo “não é a primeira redefinição do casamento a ter ocorrido nos Estados Unidos”. Esta evolução seguiu, segundo ele, três etapas: primeiro, a votação de uma lei sobre o divórcio por consentimento mútuo, em 1969, na Califórnia; depois, o uso progressivo de anticoncepcionais, e, finalmente, o casamento gay, que ele qualifica como “golpe final”. Progressivamente, a sociedade americana foi retirando do seu horizonte três dimensões fundamentais do casamento cristão: a indissolubilidade, “a acolhida de filhos” e a união homem-mulher.

Assim, explica ele, “o que a sociedade civil quer dizer ao utilizar a palavra ‘casamento’ não tem mais nada a ver com o que significa para a Igreja. A sociedade civil chegou inclusive a suprimir cada um dos aspectos que definem um casamento para a Igreja. Não seria a hora, para nós, de aceitar este estado de coisas e começar a usar uma outra palavra em seu lugar? (...) Proponho que na Igreja façamos referência não mais ao casamento como tal, mas à aliança matrimonial”.

Ao fazer esta proposta, o sacerdote americano admite que a expressão possa soar um pouco arcaica... e que não será fácil explicar aos casais que se apresentam, dizendo: “Nós queremos nos casar no próximo verão”, que eles devem, ao invés disso, dizer: “Nós queremos contratar uma aliança matrimonial no próximo verão”. Portanto, recomenda não banir totalmente o uso da palavra e de seus derivados, mas ater-se a essa nova denominação, do ponto de vista oficial, como “sacramento da aliança matrimonial”.

Aberto ao diálogo, Charles Pope aceita as opiniões e as sugestões de seus leitores sobre este assunto. Para ele, o importante é abrir o debate.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Podemos chamar o casamento cristão de “aliança matrimonial”? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV