Ruralistas querem mudar conceito de trabalho escravo

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 01 Julho 2013

O jornalista e coordenador da ONG Repórter Brasil, Leonardo Sakamoto, disse à Rádio Brasil Atual que embora a aprovação pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, da Proposta de Emenda Constitucional 57A/1999, a PEC do Trabalho Escravo, seja um passo importante para a aprovação da proposta que tramita há anos no Congresso, é necessário que ativistas e a população fiquem atentos à tentativa da bancada ruralista da Casa de mudar o conceito do trabalho escravo.

A reportagem é do portal da Rede Brasil Atual, 28-06-2013.

“A gente tem de comemorar que a proposta foi votada na CCJ, mas ficar também bastante preocupado, porque as lideranças ruralistas estão tentando empurrar que essa aprovação tem um custo. É a velha desculpa dos ruralistas, dos fazendeiros, é aquela coisa de que aceitam punir trabalho escravo, desde que o trabalho escravo seja definido só pelo uso do chicote, do pelourinho, de grilhões, tudo o que reduz a possibilidade de o trabalho escravo ser punido”, disse.

Para a aprovação da PEC na comissão do Senado foi necessário um acordo que prevê a votação de um projeto que defina o que é trabalho escravo e de outro que estabeleça os processos de desapropriação das terras onde houver esse tipo de crime. A PEC ainda tem de seguir para votação em plenário.

Relator da PEC, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) afirma que o acordo é necessário para que a proposta tenha chances de ser aprovada sem alterações. Se houver mudanças, o texto terá de retornar à Câmara dos Deputados, onde enfrentou a resistência dos parlamentares vinculados ao agronegócio e só foi aprovado depois de 11 anos.

Para Sakamoto, a definição de trabalho escrava é muito clara. “Só diz que o Brasil não está seguindo um conceito claro quem quer criar confusão nessa história”, afirma. Segundo o Código Penal brasileiro, os trabalhos considerados escravos são aqueles em que há qualquer forma de trabalho forçado, quando há servidão por dívida, quando houver condições degradantes de trabalho, ou quando há jornada exaustiva.

“É importante que as pessoas saibam que o trabalho escravo contemporâneo não é a mesma coisa que era na Colônia e no Império. Hoje em dia uma pessoa não tem mais o direito de propriedade sobre a outra, o estado não garante mais isso, mas os empregadores criminosos que fazem valer essa forma de exploração se utilizam de outras maneiras para manter a pessoa trabalhando.”

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ruralistas querem mudar conceito de trabalho escravo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV