As desculpas do pastor que queria “curar” a homossexualidade

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 28 Junho 2013

Com ampla penetração nos Estados Unidos, especialmente nos círculos cristãos conservadores, mas também muito controvertida, a associação Exodus International, que propôs terapias para “colocar os homossexuais no caminho certo”, decidiu fechar as portas. Uma decisão aprovada por unanimidade pelo Comitê Executivo da organização, e que caiu como uma bomba, tanto do lado dos opositores – que se alegraram com a decisão – como das Igrejas evangélicas, em grande parte favoráveis às ideias da Exodus.

 
Fonte: http://bit.ly/17x3xMO  

A reportagem é de Aymeric Christensen e publicada no sítio da revista francesa La Vie, 24-06-2013. A tradução é do Cepat.

Mais impressionante ainda, o presidente desta organização criada em 1976, Alan Chambers (pastor pentecostal), apresentou as desculpas oficiais à comunidade gay pelo “trauma” das terapias praticadas pelos membros da Exodus. Em uma nota publicada no sítio da Exodus, sobriamente intitulada “Sinto muito”, ele admite assim que sua organização “tem trabalhado duro para o bem, mas ela também fez coisas erradas. Nós machucamos as pessoas”.

“O nosso ministério tem sido público, escreve ele, e consequentemente qualquer arrependimento deve igualmente ser público. Eu nem sempre fui líder da Exodus, mas, como agora sou, devo admitir o que a instituição fez de errado por tanto tempo e para tanta gente. Faço-o, portanto, com receio, mas de bom grado”.

“Saibam que estou profundamente sentido. Lamento pela dor e pelo sofrimento que muitos de vocês conheceram. Lamento pelo fato de que alguns de vocês passaram anos com a vergonha e a culpa de não ver sua atração mudar. Lamento porque nós promovemos esforços para mudar sua orientação sexual, assim como as teorias de reparação que estigmatizaram muitos pais. Peço desculpas pelas vezes em que eu não me manifestei publicamente contra as pessoas ‘do meu lado’ que chamaram vocês de nomes como sodomitas ou coisa pior. Lamento, conhecendo tão bem alguns de vocês, não ter sido capaz de dizer publicamente que os gays e as lésbicas que conhecia eram tão capazes de ser excelentes pais quanto os meus amigos héteros. Lamento por ter comemorado o retorno a Cristo de pessoas que abandonaram sua sexualidade, e nesse momento de ter também violentamente celebrado o fim dos relacionamentos que quebram o coração. Lamento pode ter afirmado que vocês e suas famílias valem menos que eu e a minha família. E, acima de tudo, lamento pelo fato de que tantas pessoas tenham interpretado essa rejeição religiosa pelos cristãos como uma rejeição da parte de Deus”.

Alan Chambers, casado, confessou ter sentido atração por homens. Declarou, além disso, querer dedicar-se ao diálogo entre a comunidade LGBT e as pessoas hostis à homossexualidade. Assim, ele planeja lançar um sítio na internet chamado Reduce Fear (“Reduzir o medo”).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As desculpas do pastor que queria “curar” a homossexualidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV