É diferente! Mas com a mesma indignação

Revista ihu on-line

“Raízes do Brasil” – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde democráticas

Edição: 498

Leia mais

Desmilitarização. O Brasil precisa debater a herança da ditadura no sistema policial

Edição: 497

Leia mais

Morte. Uma experiência cada vez mais hermética e pasteurizada

Edição: 496

Leia mais

Mais Lidos

  • O que a desobediência de Renan e as bombas da igreja no Rio têm em comum?

    LER MAIS
  • Religiosos e religiosas do Brasil manifestam comunhão com o pontificado do papa Francisco

    LER MAIS
  • Proposta para Previdência endurece regra para jovens e tira renda de vulneráveis

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 25 Junho 2013

“Crescem as análises de que o movimento caminha para uma direitização, sobretudo, em função da intolerância e virulência contra os partidos. Esse tipo de leitura é conservadora, não captura a riqueza do conteúdo do movimento, de suas inflexões para o devir político – o elemento mais importante”. O comentário é de Cesar Sanson, professor de Sociologia da UFRN e colaborador do Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

Eis o artigo.

Nas grandes manifestações das “Diretas Já” (1984) e “Impeachment” (1992), os partidos de esquerda, movimentos sociais e pastorais imprimiam o ritmo dos atos. Carro de som, faixas assinadas pelos coletivos e itinerário pré-definido que invariavelmente terminava com um ato e ‘falas’ das organizações. Agora, não há carro de som, as faixas coletivas foram substituídas pelos cartazes individuais, tampouco se tem itinerário pré-definido e não há um ato que termina com a ‘fala’ dos movimentos.

É pior ou melhor? É diferente!

Vejo que crescem as análises de que o “movimento caminha para uma direitização”, sobretudo, em função da intolerância e virulência contra os partidos. Algo mesmo inaceitável, muito mais quando há violência física. Porém, esse tipo de leitura é conservadora, não captura a riqueza do conteúdo do movimento, de suas inflexões para o devir político – o elemento mais importante.

Os partidos de esquerda, sempre ou quase sempre tiveram hegemonia das ruas e nesse momento correm a tentação de desqualificar o movimento porque não dão a direção. Não se trata de ser ingênuo, é evidente que há uma disputa, mas desqualificar porque sente-se criticado ou ameaçado em sua hegemonia é redutor.

Ainda mais: a esquerda, principalmente o PT, mas não apenas, precisa fazer autocrítica dos erros que cometeu. A critica ao “modelo de inclusão social via mercado” e não via resolução dos problemas estruturais demanda autocrítica. Li um twitter que diz assim: “Dilma, imperdoável. Jamais uma palavra de apoio aos LGBT, índios, removidos, ribeirinhos, haitianos. Só carros, produção, consumo, energia”.

R$ 0,20 centavos = pauta social

Aqui em Natal, na manifestação, um cartaz dizia: “Seu filho está doente? Leve ele ao Arena das Dunas”. Arenas das Dunas é o estádio no qual se gastará algo próximo a um bilhão de reais. Enquanto isso, a saúde e a educação básica se encontram próximas ao caos. Há um recado claro das ruas que imposta a agenda social no centro de debate político e não na margem.

Mais uma coisa. A questão da ética não é irrelevante. Não é apenas uma pauta udenista. Equivoca-se quem procura desqualificar essa agenda.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - É diferente! Mas com a mesma indignação