País contempla "atônito" manifestações dos últimos dias, diz Gilberto Carvalho

Revista ihu on-line

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

A volta do fascismo e a intolerância como fundamento político

Edição: 490

Leia mais

Maria de Magdala. Apóstola dos Apóstolos

Edição: 489

Leia mais

Mais Lidos

  • Dom Hélder Câmara e Dom Luciano Mendes de Almeida: paladinos dos pobres e da justiça

    LER MAIS
  • ‘Governo Temer é profundamente antinacional. É pior que 64’. Entrevista com Wanderley Guilherm

    LER MAIS
  • Ri, palhaço

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 20 Junho 2013

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse nessa quarta-feira que o país contempla um pouco "atônito" as manifestações que tem tomado as ruas de várias cidades brasileiras nos últimos dias, com centenas de milhares de pessoas, e que os governantes devem ter a “generosidade de saber ouvir” o que estão apontando em termos de descontentamento. “Nós temos que entender isso, se não seremos atropelados pela história”.

A reportagem é de Danilo Macedo e publicado pela Agência Brasil, 19-06-2013.

Segundo Carvalho, as manifestações não expressam apenas necessidades materiais, mas um reposicionamento da sociedade no sentido de participar ativamente das decisões. “É extremamente saudável que a juventude esteja manifestando nesses dias esse desejo, mais do que desejo, esse imperativo de participar, de dar conta e de exigência de um novo padrão de vida”.

Durante o encontro Diálogos Governo e Sociedade Civil: Fundo Amazônia, no Palácio do Planalto, o ministro disse que o país assiste a um amplo processo de mobilização de massas e que o clima é muito propício para um processo de entendimento e de um novo padrão de participação da sociedade.

Carvalho ressaltou também que, apesar das manifestações pacíficas em sua maior parte, o governo vai conter as ações indevidas. “Entre pacifistas, há aqueles que se aproveitam também para promover uma série de violências que nós absolutamente não podemos endossar, nem aprovar e, pelo contrário, temos que mobilizar os setores mais amplos pra tentar conter as manifestações que são indevidas”.