Pelas redes sociais, 79 milhões de pessoas falando de um tema

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • O melhor professor do mundo é Peter, franciscano do Quênia

    LER MAIS
  • Bolsonaro estimula celebração do golpe militar de 1964; generais pedem prudência

    LER MAIS
  • Líder de movimento social é assassinada no Pará

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Junho 2013

Quem está conectado às redes sociais percebeu que os protestos se tornaram quase um tema único nos últimos cinco dias, dominando publicações no Twitter, Facebook e no YouTube. Os compartilhamentos impactaram potencialmente mais de 79 milhões de internautas até a noite de segunda-feira, 17.

A reportagem é de Paulo Saldaña e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 18-06-2013.

O mapeamento foi realizado online pela empresa Scup. "O monitoramento mostra que essas mensagens chegaram a todas essas pessoas", explicou o gestor de comunicação da empresa, Eliseu Barreira Junior. Essa abrangência foi alcançada entre quarta-feira e as 21h de segunda.

O mapeamento das redes indica uma curva crescente das publicações sobre o tema desde quinta-feira, dia da manifestação marcada pela violência policial, alcançando ontem um pico de menções. Os termos mais citados foram "Protesto", "O gigante acordou", "Vem pra rua" e "Acorda, Brasil". A plataforma contabilizou mais de 236 mil itens publicados no período.

"A paciência acabou e a gente acordou", escreveu pelo Twitter o internauta @givejustinfood. "Pastores se posicionem... Despertem suas igrejas!!!", pediu David Castilho pelo Facebook. Ontem, a alta de publicações ocorreu entre 15h e 16h, com 19 mil tens.

A internet teve papel fundamental na organização dos atos. Em São Paulo, por exemplo, o evento no Facebook para a manifestação de ontem teve 276 mil confirmações. O ato foi grande, mas se percebe que muita gente fez questão de demonstrar o apoio virtual. Mas não foi só isso.

Vilões a heróis

Para o pesquisador de comportamento jovem Daniel Gasparetti, as redes tiveram papel mais preponderante na guinada da opinião pública. "Foi nas redes sociais que se viu os manifestantes passarem de vilões a heróis", diz ele. "Além do contato direto, da informação feita do local, houve um intenso debate sobre os motivos dos atos."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pelas redes sociais, 79 milhões de pessoas falando de um tema - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV