Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Demarcação de terra indígena terá novas regras

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse ontem que a pasta editará até o fim de junho uma portaria regulamentando o processo de demarcação de terras indígenas no país. A portaria possibilitará que outros órgãos, além da Fundação Nacional do Índio (Funai), sejam ouvidos no processo de demarcação, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Ministério de Desenvolvimento Agrário.

A reportagem é de Maíra Magro e publicada pelo jornal Valor, 14-06-2013.

Enquanto isso, entidades ligadas ao agronegócio fazem hoje uma manifestação em diversas regiões do país contra a demarcação de terras indígenas, anunciando que vão fechar rodovias com tratores e caminhões. O protesto será principalmente em cinco Estados - Bahia, Mato Grosso do Sul, Pará, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, onde os conflitos de terra atingem proporções mais graves.

Segundo o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), uma das lideranças da Frente Parlamentar da Agropecuária, haverá movimentações em 16 Estados.

Com a mudança no processo de demarcação, confirmada por Cardozo, o governo tenta aliviar a pressão dos ruralistas. As alterações já haviam sido anunciadas em maio pela ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, em audiência na Comissão de Agricultura da Câmara, para a qual foi convocada.

Segundo Cardozo, a portaria já está sendo elaborada pelo Ministério da Justiça. Ele negou que a mudança resulte no enfraquecimento da Funai. "Ninguém quer, em momento algum, retirar o protagonismo da Funai, pelo contrário. Queremos reforçar o papel da Funai, mas dando esse reforço a partir de uma definição juridicamente mais estável, e com possibilidade de mediação nos processos de demarcação."

O ministro disse que a Funai continuará fazendo o laudo antropológico "balizador do processo de demarcação". Os dados da Embrapa e do Ministério de Desenvolvimento Agrário, de acordo com ele, são informativos e servirão para contestar ou confirmar o laudo da Funai. A estrutura será mantida no restante: o Ministério da Justiça analisa o laudo da Funai e os estudos, baixa uma portaria e a encaminha para a Presidência da República.

Na semana que vem, Cardozo fará uma reunião no Mato Grosso do Sul com representantes de indígenas, ruralistas e com o governador do Estado, André Puccinelli (PMDB), para buscar uma solução para os conflitos fundiários na região. Também vão participar integrantes do Judiciário, Ministério Público e Legislativo.

"Se esse fórum der certo, e tenho certeza que dará, estaremos estreando um paradigma para trabalhar todas as questões em Estados que envolvam disputas por terra", disse Cardozo. O fórum vai analisar soluções específicas para cada área de conflito. "Talvez não seja possível uma equação uniforme", falou o ministro, que participou ontem de reunião com indígenas e ruralistas no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Pouco antes, depois de três dias acampados no prédio da Funai em Brasília, cerca de 150 índios Munduruku voltaram para o Pará em um avião da Força Aérea Brasileira. Eles se reuniram com o governo para manifestarem-se contra a construção das usinas hidrelétricas de Belo Monte e Tapajós, reclamando da falta de consulta prévia.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium