O confessor do Papa prevê o fim da “lua de mel” com Francisco

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 07 Junho 2013

Através de um portal croata tomou-se conhecimento, em Buenos Aires, de uma carta que o sacerdote franciscano Frei Berislao Ostojic OFM, confessor na Argentina do então cardeal Jorge Mario Bergoglio, enviou ao seu irmão Mario Marcos, nascido na Argentina, mas que, atualmente, mora em Zagreb, na Croácia. Na carta, o sacerdote dá uma visão particular do Papa Francisco.

A reportagem está publicada no sítio argentino Valores Religiosos, 06-06-2013. A tradução é do Cepat.

Entre outras coisas, frei Berislao disse que a mídia mundial “exalta o novo Papa”, mas que recomenda “evitar entusiasmos ingênuos”, já que “a experiência nos ensina que, com frequência, aqueles que hoje exaltam, amanhã, por razões ideológicas, tranquilamente estarão no lado oposto”. E acrescenta: “Basta pensar no que acontecerá quando o Santo Padre reafirmar o valor de toda vida humana e disser um claro ‘não’ ao aborto, e no que dirão quando ratificar o casamento entre um varão e uma mulher”, e muitos outros temas sensíveis. Então, “muitos entusiastas superficiais mudarão de lado, e o farão sentir o peso da cruz que não se negocia em detrimento da verdade do Evangelho”.

Em outro parágrafo, refere-se ao seu permanente pedido: “Rezem por mim”, e recorda que há pouco pediu: “Rezem por mim, para que me sinta melhor que ninguém”. Nesta simples súplica, disse o padre Ostojic, “está seu conceito de autoridade, que é serviço. E como está com os pés no chão e não vive de ilusões, sabe muito bem que o tentador não dorme e que os tesouros de graça estão em vasos de barro. Isto é puro realismo humano e espiritual”.

Ao escrever de onde vem “a audácia dos gestos e a alegria do serviço”, o frei franciscano explica: “Na minha percepção pessoal, a coisa me parece clara. A coluna vertebral, a partir da qual se articulam os gestos e as palavras, é preciso buscá-la e reconhecê-la na sua atitude orante, na capacidade de estar diante do Sacrário e beber na intimidade com Cristo as riquezas com as quais Jesus enche os corações que se abrem a ele para que os ilumine e os fortaleça”, e relata que na homilia que Bergoglio pronunciou na consagração do bispo de Azul, dom Salaberry, jesuíta, ao referir-se às dificuldades que se apresentariam na vida de bispo, “quando tudo parecer escuro”, o exortava: “Então, aprende a gastar os joelhos diante do Sacrário. Ele, Jesus, jamais defrauda”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O confessor do Papa prevê o fim da “lua de mel” com Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV