Paraná tem 7 áreas sob risco de conflito entre índios e ruralistas

Revista ihu on-line

Gauchismo - A tradição inventada e as disputas pela memória

Edição: 493

Leia mais

Financeirização, Crise Sistêmica e Políticas Públicas

Edição: 492

Leia mais

SUS por um fio. De sistema público e universal de saúde a simples negócio

Edição: 491

Leia mais

Mais Lidos

  • A Igreja precisa mudar a forma de escolher seus bispos

    LER MAIS
  • Após 11 anos, FMI ronda o Brasil a convite de Meirelles

    LER MAIS
  • Terceirização, uma solução de terceira para a economia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 05 Junho 2013

A relação entre índios e produtores rurais é tensa no Paraná em sete áreas que são reivindicadas por povos indígenas, segundo levantamento do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Nesses locais, o risco de conflitos como os que vêm ocorrendo no vizinho estado do Mato Grosso do Sul é real e preocupa as autoridades. A situação se agravou depois que o governo federal decidiu paralisar as demarcações de terras indígenas. Em todo o país, são 97 áreas sob risco de conflito.

A reportagem é de Felippe Anibal e publicada pelo jornal Gazeta do Povo, 05-06-2013.

Os maiores focos de tensão no Paraná se concentram nas regiões Oeste, entre Guaíra e Terra Roxa, e no Centro-Sul, em Laranjeiras do Sul. Essa última estava com o processo de demarcação adiantado. As 114 famílias de produtores rurais e meeiros que atualmente vivem na área aguardam indenização, enquanto cerca de 150 índios da etnia caingangue estão acampados no entorno.

As outras seis áreas ainda estão em processo de identificação. Três delas ficam entre as cidades de Guaíra e Terra Roxa, consideradas o epicentro da tensão entre indígenas e ruralistas no Paraná. “A situação lá é dificílima”, resume o secretário de Assuntos Fundiários do governo do estado, Hamilton Serighelli.

Entre as duas cidades vivem 2,2 mil índios guaranis. Em Guaíra, são nove aldeias, sete delas na zona urbana. Em Terra Roxa, são outros cinco acampamentos.

Sem infraestrutura básica, os índios vivem em condições precárias e enfrentam até falta de água potável. Em épocas mais críticas, fazendeiros chegam a promover bloqueios para evitar que cestas básicas cheguem às aldeias. “Os índios estão sob constante pressão do agronegócio. As agências pastorais não conseguem chegar às aldeias porque seus agentes são ameaçados”, relata Cléber Busatto, secretário executivo do Cimi.

Segundo Serighelli, a regularização fundiária dessas áreas não é tão simples como se imagina. Apenas para indenizar os proprietários rurais de Guaíra e Terra Roxa seriam necessários cerca de R$ 400 milhões. Já as indenizações em Laranjeiras do Sul são estimadas em R$ 60 milhões. “O problema é terra. Ou você pega terra pública ou adquire. Para isso precisa de um grande volume de recursos”, diz.

A Casa Civil informou que um estudo da Embrapa diagnosticou irregularidades no processo de ocupação das áreas reivindicadas pelos índios em Guaíra e Terra Roxa. De 15 áreas vistoriadas, dez teriam sido ocupadas a partir de 2007. Em outras quatro, não há índios vivendo. Em apenas uma confirmou-se a presença regular dos guaranis.