Google Glass veio romper barreira entre mídia e vida

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A população de rua é um sintoma da necrofilia que vai matando nosso povo”. Entrevista com o Padre Júlio Lancelotti

    LER MAIS
  • Saúde mental, a eterna “loucura” do capitalismo. Artigo de Eduardo Camín

    LER MAIS
  • Ecologia sem transição, coletivo francês defende ruptura ecológica total

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Mai 2013

Quem estuda comunicação conhece a distinção entre mídias lean back (“inclina para trás”, como a TV) e lean forward (“inclina para frente”, como a internet). As primeiras, ligadas à contemplação. As segundas, à ação. Só que essa distinção está para cair por terra. O prenúncio é a chegada do Google Glass, que integra simultaneamente consumo de mídia com a vida.

O comentário é de Ronaldo Lemos, publicado no jornal Folha de S. Paulo e reproduzido pelo Observatório da Imprensa, 21-05-2013.

Cineastas “revolucionários” como Eisenstein ficavam incomodados com o fato de o cinema ser mostrado para pessoas em repouso. A ideia era que os filmes provocassem a ação política, mas como fazer isso com as pessoas sentadas na poltrona? Com o Google Glass (e outras tecnologias que virão), surge a primeira mídia que muda essa percepção. É possível consumir mídia e agir ao mesmo tempo. E mais: coordenar a ação com outras pessoas conectadas, em tempo real. Isso faz a alegria dos candidatos a Eisenstein dos nossos dias. E desperta preocupações (a mesma lógica dos simpáticos flash mobs foi também usada nos saques das lojas de Londres).

Os smartphones são um passo ainda imperfeito na integração de mídia e vida. Neles é preciso alternar “atenção” e “ação” o tempo todo. Daí o fenômeno dos “zumbis” de celular, que andam pelas ruas esbarrando nos outros (mais gente morre hoje nos EUA ao dirigir enviando textos no celular do que por beber e dirigir). Com o Google Glass, o vórtice da mídia quer envolver todos os recantos da vida (levando anúncios até lá). Claro, tudo isso se a tecnologia pegar. Pode ser que as pessoas ainda não estejam preparadas para trocar sua consciência fashion por um mergulho permanente na mídia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Google Glass veio romper barreira entre mídia e vida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV