O boato do fim do Bolsa Família e a percepção popular

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo Mundial é uma preparação para um futuro Concílio, afirma arcebispo de Praga

    LER MAIS
  • Em carta, Bento XVI diz esperar se encontrar com os seus amigos no céu

    LER MAIS
  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Mai 2013

"Há um elemento pouco explorado nesta história do boato do fim do Bolsa Família. Trata-se da percepção popular a respeito das políticas públicas que conformam o lulismo. Em outras palavras, a corrida que gerou mais de 900 mil saques das contas do programa na CEF indica que há insegurança em relação à situação econômica do país. Interessante que tal percepção aparece aqui e acolá".

O comentário é de Rudá Ricci, sociólogo, e publicada no seu blog, 23-05-2013.

Ontem, a Country Ratings Pool divulgou os dados da pesquisa anual sobre percepção da imagem externa de 25 países.

A percepção sobre o Brasil melhorou levemente (de 45% para 46%) entre os 26 mil entrevistados que afirmaram que o Brasil tem imagem positiva. Mas houve aumento daqueles que indicaram imagem brasileira negativa, principalmente em relação às nossas dificuldades econômicas (de 18% para 21%).

Não chega a ser um desastre, mas uma tênue nuvem cinza. No mesmo caminho, a revista Forbes, que acaba de indicar a presidente Dilma Rousseff como a segunda mulher mais poderosa do planeta, ressalva que ela tem a "tarefa de levar o país adiante após dois anos com as taxas de crescimento mais lentas em mais de uma década".

Novamente, a Forbes explicita uma percepção com sinais trocados: embora tenha poder, sua perfomance na área econômica gera desconforto.

Um boato tem que ser crível ou será motivo de chacota ou descaso. Algo como "onde há fumaça, há fogo". Se a fumaça sair de um pequeno cinzeiro, será difícil alguém, em sã consciência, acreditar que se trata do início do incêndio de todo um quarteirão ou o surgimento de um novo Nero.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O boato do fim do Bolsa Família e a percepção popular - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV