Evo Morales pede defesa da democracia a seguidores

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS
  • Bergoglio, ao Santo Sínodo Ortodoxo: “Façamos do Chipre uma ponte entre o céu e a terra”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Mai 2013

O presidente da Bolívia, Evo Morales, convocou ontem nesta sexta-feira, 17, seus seguidores a defender as conquistas de seu governo diante da greve geral e da crescente onda de protestos por melhores condições de aposentadoria no país. "Chamo os companheiros a defender a democracia e o processo de mudança que ocorre", disse Evo, referindo-se aos setores rurais e aos sindicatos de cultivo de coca, seus principais aliados.

A informação é publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 18-05-2013.

Professores, mineiros, funcionários de fábricas, servidores da área de saúde e outros trabalhadores afiliados ao sindicato Central Obrera Boliviana (COB) - o maior do país - estão em greve e protestam desde o dia 5 exigindo o aumento da aposentadoria. O governo descarta essa possibilidade. Segundo o ministro da Economia, Luis Arce, o aumento generalizado prejudicaria o sistema econômico do país.

O valor da aposentadoria atualmente é 4.000 bolivianos, o equivalente a US$ 578. A demanda da COB é receber 8.000 bolivianos (US$ 1.149). Após o governo rejeitar o pedido dos manifestantes, dirigentes da COB se reuniram e decidiram radicalizar a greve. O líder do sindicato, Juan Carlos Trujillo, afirmou, segundo a agência AFP, que haverá mais bloqueios em estradas e manifestações nas cidades, especialmente na capital, La Paz.

Trujillo ressaltou que o sindicato está disposto a conversar com representantes do governo para discutir a demanda. O ministro do Trabalho, Daniel Santalla, também disse que o governo está disposto a negociar, mas "o problema é o dinheiro".

Reformas

Recentemente, a Bolívia reduziu a idade mínima para a aposentadoria de 65 anos para 58. No setor mineiro, passou a ser de 55 anos para homens e de 51 para mulheres. O vice-ministro de Coordenação dos Movimentos Sociais, Alfredo Rada, acredita que a COB deva "reavaliar a situação, repensar o movimento e perceber que não vai levar a lugar nenhum."

Durante os 12 dias de protestos, os bloqueios nas estradas causaram perdas milionárias. Até ontem, não havia acordo para acabar com o conflito. Cerca de cem pessoas já ficaram feridas durante confrontos entre manifestantes e ativistas pró-governo. Nesta sexta-feira, camponeses favoráveis ao governo Evo entraram em confronto com manifestantes que fizeram um bloqueio na estrada que dá acesso à cidade de Potosí, 410 quilômetros ao sul da capital.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Evo Morales pede defesa da democracia a seguidores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV