Movimentos sociais ocupam sede da ANP no Rio de Janeiro e exigem cancelamento da 11ª rodada de leilões do petróleo

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco condena perseguição antigay e está preocupado com “cura gay”

    LER MAIS
  • Opositores do papa: continuem assim

    LER MAIS
  • Católicos e anglicanos - Trabalhar juntos para bem da humanidade, diz secretário do Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Maio 2013

Petroleiros e representantes de outros movimentos sociais começaram hoje as grandes mobilizações pelo cancelamento do leilão da ANP. Na manhã dessa segunda (13), por volta das 10h, ocuparam a sede da Agência Nacional dos Petróleo no Centro do Rio de Janeiro. Mais cedo, também aconteceu a ocupação do Ministério das Minas e Energia em Brasília. A luta da campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso é para barrar o leilão.

A reportagem é publicada pelo jornal Brasil de Fato, 13-05-2013.

Cerca de 150 manifestantes tomaram o saguão dos elevadores da ANP. O Sindipetro-RJ, a Frente Nacional dos Petroleiros, estudantes da Oposição de Esquerda da UNE e do coletivo Rebele-se, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o Movimento dos Atingidos por Barragem, a FIST e ativistas de outros movimentos permaneceram no local por volta de uma hora e meia. Eles exigem o cancelamento da 11ª rodada de licitações do petróleo. Depois ainda seguiram em marcha pela Av. Rio Branco e terminaram com um ato simbólico em frente ao Edifício Sede da Petrobrás, na Av. Chile. Outras capitais também realizam protestos contra a privatização do nosso ouro negro.

O governo Dilma quer entregar através do leilão, 30 bilhões de barris de petróleo. No Brasil, nosso governo, com apoio da mídia e dos partidos da base de apoio, querem entregar o equivalente a duas vezes tudo que a Petrobrás acumulou, nos seus 59 anos, 14 bilhões de barris de reservas reconhecidas. As áreas a serem leiloadas não pertencem ao chamado pré-sal, mas o governo Dilma já marcou o leilão do pré-sal para novembro de 2013.

"Precisamos desde já retomar a campanha do petróleo e impedir a entrega da nossa maior riqueza. O petróleo tem que estar a serviço do pagamento da dívida social com o povo brasileiro", defende Emanuel Cancella, diretor do Sindipetro-RJ.

O objetivo de ação de hoje é mobilizar mais ainda a sociedade para a manifestação desta terça (14), às 9h da manhã, em frente ao Hotel Royal, em São Conrado. O Sindipetro-RJ disponibilizará ônibus no Centro do Rio para quem quiser chegar até o ato. A concentração será às 7h da manhã, na Avenida Paraguai, entre o Edifício Sede da Petrobrás (Edise) e a Catedral.Precisamos de toda a mobilização do povo brasileiro para impedir que essa privatização vergonhosa se concretize.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Movimentos sociais ocupam sede da ANP no Rio de Janeiro e exigem cancelamento da 11ª rodada de leilões do petróleo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV