Bispos alemães estão divididos sobre o diaconato feminino

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Digital, serial, algorítmica, a cultura do século XXI chegou

    LER MAIS
  • Ômicron, natureza e arrogância humana: uma guerra entre patógenos e humanos. Artigo de Alexandre A. Martins

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Abril 2013

Dentro da Conferência dos Bispos da Alemanha, as opiniões sobre o diaconato feminino divergem diametralmente. Enquanto o presidente da Conferência Episcopal, Robert Zollitsch, na conclusão da Assembleia Diocesana de Friburgo, prometeu se comprometer para criar uma nova função na Igreja Católica para as diaconisas, o bispo de Regensburg, Rudolf Voderholzer, também no domingo, não via nenhuma possibilidade para uma ordenação de mulheres como diaconisas.

A reportagem é do sítio Kathpress.at, 29-04-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Nessa segunda-feira, o Comitê Central dos Católicos Alemães (Zentralkomitee der Katholiken, ZdK), celebrou o "dia da diaconisa". Voderholzer explicou no site da sua diocese que, assim como a função de presbítero e de bispo, o diaconato também pertence inseparavelmente ao sacramento da Ordem. Esse sacramento, segundo a tradição da Igreja fundada sobre as Escrituras, é reservado aos homens.

Zollitsch, no fim de semana, diante de 300 delegados da Assembleia Diocesana de Friburgo, expressou-se de forma diferente. Ele afirmou que, segundo a agência de notícias católica KNA, iria apoiar uma nova função eclesial diaconal para as mulheres. Ou seja, ele se comprometeria "pelos novos serviços e funções que estão abertos também às mulheres, como por exemplo um diaconato específico para as mulheres". E que faria isso "com base na doutrina da Igreja Católica".

Ele prometeu que retomaria também as outras propostas de reforma eclesiais desenvolvidas: "Nada será esquecido ou ficará perdido. Comprometo-me a manter essas questões em discussão", disse Zollitsch. Por exemplo, ele tem a intenção de ir ao encontro dos divorciados em segunda união que até agora são excluídos de aspectos importantes da vida eclesial – por exemplo, da comunhão.

Na Baviera, ao contrário, Dom Voderholzer não vê nenhuma possibilidade para a ordenação de mulheres como diaconisas. Além disso, em sua opinião, uma abadessa, uma superiora-geral, uma conselheiro de ordinariato ou uma diretora de uma escola eclesial teria "muito mais possibilidades organizacionais" do que em uma nova função sacramental de serviço para as mulheres. E nisso ele se referia especificamente às atuais declarações de Zollitsch.

Na Assembleia Geral da primavera da Conferência Episcopal Alemã, o cardeal da Cúria Walter Kasper havia proposto que se refletisse sobre uma função diaconal feminina específica, um tipo de "diaconisa da comunidade". Até o presidente da Comissão de Pastoral da Conferência Episcopal, Dom Franz-Josef Bode, havia acolhido favoravelmente a proposta.

Nesse sentido, segundo Kasper, é possível conectar-se à tradição particular das diaconisas na Igreja primitiva, que ainda hoje continua em algumas Igrejas ortodoxas orientais.

Essa função, no estado atual da pesquisa, era fundamentalmente diferente da função diaconal dos homens, que hoje constitui uma fase inicial da ordenação a presbítero e a bispo. Por isso, uma participação das mulheres na função presbiteral e no correspondente diaconato específico dos homens não é possível por motivos dogmáticos.

Independentemente desses problemas, os bispos católicos haviam se comprometido a aumentar sensivelmente o percentual de mulheres em posições de direção que não pressupõem a ordenação.

A formação das diaconisas já está em andamento

O Comitê Central dos Católicos (ZdK) e a Rede Diaconato Feminino (Netzwerk Diakonat der Frau) não pretendem aceitar a situação atual e, por isso, celebram juntos no dia 29 de abril o "Dia da Diaconisa" pela primeira vez. "Trata-se de fazer com que esse tema esteja no centro das atenções e que lhe seja conferida uma importância pública", disse a presidente da Rede, Irmentraud Kobusch, ao site oficial da Igreja Católica na Alemanha, www.katholisch.de (Bonn ): "Simplesmente, chegou a hora. Há muito tempo se delineia uma situação em que as gerações mais jovens não resistirão por muito tempo". Por muito tempo, a pergunta ficou sem resposta.

Segundo a intenção dos organizadores, o "Dia da Diaconisa" é acima de tudo em favor da Igreja, explicou Kobusch. Cerca de 80% do serviço ao povo da Igreja é fornecido por mulheres.

Isso significa que a Igreja ganharia muito em credibilidade se as mulheres estivessem presentes na função do diaconato. Naturalmente, as mulheres podem cuidar dos doentes ou cuidar dos sem-teto, sem por isso receber a ordenação. Mas algumas dessas mulheres se sentem "chamadas para a função de diaconisa".

A Rede ofereceu a essas mulheres, há alguns anos, a possibilidade de seguir essa vocação e de se qualificar para um serviço de direção em uma Igreja diaconal. Portanto, tratou-se de algo mais do que uma preparação para um caso puramente teórico, declarou Kobusch: "As 23 mulheres que nós formamos até agora dão ao diaconato feminino um rosto e uma história da sua vocação para a sua esperança. Ele também contribuem para testar concretamente na vida o que poderia realmente significar um diaconato feminino".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos alemães estão divididos sobre o diaconato feminino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV