Povo Xavante recebe com indignação questionamento da morte de crianças

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 30 Abril 2013

Em tom de desafio, secretário de saúde de Alto Boa Vista (MT) chegou a exigir que corpos fossem mostrados; as crianças que morreram são netas do cacique.
 
A reportagem é de Renato Santana e publicada pelo jornal Brasil de Fato, 29-04-2013.
 
O povo Xavante da Terra Indígena Marãiwatsédé, noroeste de Mato Grosso, recebeu com indignação uma declaração feita pelo secretário de saúde do município de Alto Boa Vista (MT), na qual ele desmente a informação da morte de três crianças na comunidade.

No último dia 25, Juraci Rezende Alves desafiou qualquer cidadão a mostrar os corpos das crianças Xavante. “As crianças que morreram são netas do cacique Damião Paradzane. Nossas crianças estão morrendo há anos”, afirma padre Aquilino Xavante. As declarações do secretário ocorreram durante sessão da Câmara dos Vereadores de Alto Boa Vista. Alves encaminhou notificação extrajudicial para veículos de imprensa que noticiaram os óbitos, exigindo a retirada da informação do ‘ar’.

Prontamente o secretário foi rechaçado publicamente pela enfermeira da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), órgão do Ministério da Saúde, Lúcia Oliveira Nunes, que o convidou a ir ver as covas. Há dois anos a profissional atua em Marãiwatsédé.

Tais mortes se refletem em problemas antigos. Conforme Aquilino e Lúcia, os indígenas preferem ser atendidos pela rede hospitalar de Bom Jesus do Araguaia, mais distante da aldeia, do que em Alto Boa Vista.  

Os sintomas apresentados pelas crianças mortas são diarreia, vômito e desidratação. Suspeita-se de que o quadro é motivado pela contaminação de agrotóxicos na água; dezenas de crianças - entre um e cinco anos - apresentam exposição a tais sintomas por conta da falta de acesso a atendimento adequado de saúde.

“Nos atendem mal e pouco fazem pela nossa saúde. Muito triste ver tanto sofrimento, as mulheres chorando durante toda noite. Isso é o que está acontecendo, independentemente do que pensa o secretário”, disse Aquilino. A preocupação é que mais mortes ocorram; três outras crianças estão em estado avançado de desnutrição.  
 
Caso a caso; cova a cova

As mortes negadas pelo secretário ocorreram este ano nos dias 7 de março: Edinalva Xavante, de dois anos; no dia 17 de março: Leomar Xavante, de 1 ano e dois meses; e no dia 23 de março: Elza Xavante, de 1 ano e dois meses. As crianças são netas do cacique Damião, mas se somam a quase uma centena morta entre 2011 e este ano. São pequenos e pequenas vítimas de diarreia, vômito e desnutrição, além de outras moléstias de ordem infecciosa.

Em 2010, de 200 crianças Xavante nascidas, 60 morreram por falta de assistência à saúde. Nos quatro primeiros meses de 2011, 35 crianças Xavante morreram em decorrência de desnutrição, doenças infecciosas e respiratórias.    

O indígena Wanderley Daduwari Xavante declarou que as lavouras das fazendas existentes em Marãiwatsédé, desintrusadas pelo governo federal entre o final do ano passado e início deste ano depois de determinação do STF, eram regadas a agrotóxicos.  

“Os adultos sentem dores de cabeça, dores pelo corpo, ficam doentes. O veneno corre em nossas águas e está na terra, porque as fazendas eram vizinhas do lugar que então ocupávamos. Se é ruim para os adultos, imagina para as crianças”, disse Wanderley.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Povo Xavante recebe com indignação questionamento da morte de crianças - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV