Colômbia prepara terreno para ingressar na OCDE

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Abril 2013

Após o Chile, agora é a Colômbia que está pavimentando o terreno para ser o segundo país da América do Sul a aderir à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), espécie de clube dos países ricos.

A reportagem é de Assis Moreira e publicada pelo jornal Valor, 22-04-2013.

O Valor apurou que os Estados Unidos e a União Europeia protagonizam uma intensa negociação diplomática sobre a lista dos países a serem convidados a começar a negociar sua adesão. A decisão deve ser anunciada na conferência de ministros, na última semana de maio, em Paris.

Interessados em obter um rótulo de credibilidade, sete países são candidatos: três da América Latina (Colômbia, Costa Rica, Peru), três da Europa (Lituânia, Letônia e Bulgária) e um asiático (Malásia).

Os EUA jogam todo seu peso a favor da Colômbia. O presidente Juan Manuel Santos tem feito intensa campanha diplomática, buscando dar um impulso na imagem internacional do país. Argumenta para a solidez da economia colombiana investimentos importantes em inovação, além de o país representar a segunda maior população da região, à frente da Argentina.

Já a UE avisou que, se a Colômbia receber convite, um ou mesmo dois europeus também devem ser convidados a aderir. O Japão defende a adesão da Malásia.

"Aderir à OCDE fará da Lituânia um país mais atrativo para investidores externos, melhorará o rating da dívida e reduzirá nossos custos de financiamento", afirmou a presidente lituana Dalia Grybauskaite, enfatizando o que considera benefícios do clube.

Para entrar na OCDE, um país tem que assumir compromissos substanciais de liberalização, adotar cerca de 200 instrumentos (regulamentos, códigos etc.) para relaxar restrições a fornecedores estrangeiros de serviços, abrir a conta de capital etc. Tudo isso pode ser negociado, mas não demais.

Uma vez dentro, um benefício é que o mercado vê a economia do país como mais estável e isso se reflete na queda do risco-país, o que reduz os custos de financiamento internacional.

Na conferência ministerial do mês que vem, o que poderia originalmente ser um único convite, na visão de certos membros, pode vir a ser bem mais por força de acomodação diplomática. E isso num cenário em que a direção da OCDE gostaria muito mais, na verdade, que os grandes emergentes, ou seja, Brasil, China e Índia, demonstrassem interesse em entrar na entidade.

O Brasil tem convite desde 2007 para negociar sua adesão, mas preferiu até agora limitar-se a uma cooperação mais estreita.

Já a Rússia, membro dos Brics mas também do G-8 (as maiores economias industrializadas), negocia desde 2010 sua entrada. Mas problemas com a corrupção, que se propaga na economia russa, empurram uma eventual adesão para 2015. Chile, Israel, Estônia e Eslováquia começaram a negociar ao mesmo tempo que a Rússia e já são membros da OCDE.

"O que a Colômbia pode obter é o convite para começar a negociar, e a entrada ainda deve demorar de dois a três anos", diz uma fonte da entidade.

A OCDE, na prática, está se tornando o secretariado do G-20, grupo das principais economias desenvolvidas e emergentes e espécie de diretório econômico do planeta. Se a Colômbia entrar na entidade, terá acesso a certas decisões que os países ricos procuram elaborar e depois torná-las globais. Mas o que influencia mesmo é outra questão, que depende do peso da economia.

Tanto nas presidências do México como agora, da Rússia, o G-20 adotou uma agenda para decisões dos líderes, que foi cozinhada quase toda na OCDE.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia prepara terreno para ingressar na OCDE - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV