Cientistas registram derretimento acelerado na Antártica

Revista ihu on-line

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Os coletivos criminais e o aparato policial. A vida na periferia sob cerco

Edição: 506

Leia mais

Mais Lidos

  • Os filhos dos padres: a nova investigação da equipe Spotlight

    LER MAIS
  • Para compreender a Sociedade do Espetáculo

    LER MAIS
  • Lutero, o “desbravador” da Modernidade

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Por: Cesar Sanson | 15 Abril 2013

Pela primeira vez, pesquisadores mostram a sensibilidade da cobertura de gelo na Península Antártica ao aumento da temperatura durante o século XX.

A reportagem é de Fernanda B. Müller e publicada pelo Instituto CarbonoBrasil, 15-04-2013.

Ao longo dos últimos 50 anos, o aquecimento da Península Antártica tem resultado na aceleração da perda da massa de gelo e na retração e colapso de geleiras, indicam pesquisas recentes realizadas por especialistas da Universidade Nacional Australiana e do Grupo Britânico de Pesquisas Antárticas (British Antarctic Survey - BAS).

A principal causa é o derretimento desencadeado no verão, apontam.

“O derretimento do verão é um processo elementar que pensamos ser a causa do enfraquecimento das geleiras ao longo da Península Antártica, levando a uma sucessão de colapsos dramáticos, assim como a aceleração da perda de gelo ao longo da região nos últimos 50 anos”, explicou Robert Mulvaney, pesquisador do BAS que liderou a expedição de perfuração dos blocos de gelo.

Os pesquisadores reconstruiram as mudanças na intensidade do derretimento e na temperatura média no norte da Península Antártica desde o ano 1000 D.C., baseados na identificação de camadas visíveis de degelo e estimativas locais de temperatura a partir do conteúdo de deutério presente no gelo na Ilha James Ross.

Durante o último milênio, as condições mais frias, cerca de 1,6º C abaixo da média entre 1981 e 2000, e as menores taxas de derretimento foram registradas entre 1410 e 1460 D.C. Então, desde o final do século XV, a intensidade de derretimento cresceu progressivamente quase dez vezes, de 0,5% para 4,9%. Porém, os cientistas notaram que esse fato não é registrado de forma linear, e ocorreu principalmente desde meados do século XX.

“O derretimento do verão agora está em um nível sem precedentes nos últimos mil anos. Concluímos que o gelo na Península Antártica agora está especialmente suscetível a subidas rápidas [no nível] de derretimento e de perda em resposta a aumentos relativamente pequenos na temperatura média”, colocam os pesquisadores no artigo publicado na edição de domingo do periódico Nature Geoscience.

“Isso significa que a Península Antártica aqueceu em um nível onde até mesmo pequenas elevações na temperatura podem levar a um grande aumento no degelo durante o verão”, alertou Nerilie Abram, principal autor do estudo.

Em outras partes da Antártica, como no oeste do continente, o quadro é mais complexo e ainda não está claro que os níveis recentes de derretimento sejam excepcionais ou causados por mudanças climáticas antrópicas.

A pesquisa contribui com novas informações nos esforços internacionais para compreender as causas das mudanças ambientais na Antártica e para se realizar projeções mais precisas sobre a contribuição direta e indireta do continente sobre um aumento global no nível do mar. Segundo o BAS, esta é a primeira vez que um estudo demonstra a sensibilidade da cobertura de gelo na região ao aumento da temperatura durante o século XX.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Cientistas registram derretimento acelerado na Antártica