Contra o abuso de menores, a luta continua

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • As duras palavras de Francisco à Igreja: as murmurações abafam a profecia

    LER MAIS
  • Uma espiritualidade do viver

    LER MAIS
  • Crise alimentar mundial: “Estamos à beira de uma pandemia de fome”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Abril 2013

Luta contra a pedofilia, a linha não muda. E se alguém pensou que, com a renúncia de Bento XVI, e antes ainda com a transferência para Malta de Dom Charles Scicluna, a Santa Sé pretendia fechar um capítulo da sua história recente, vai se decepcionar. Nessa quinta-feira, dia 04-04-2013, o Papa Francisco recebeu o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o arcebispo Gerhard Ludwig Müller, para discutir "vários assuntos" que estão na agenda do dicastério.

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada no sítio Vatican Insider, 05-04-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

No comunicado divulgado no fim da manhã, lê-se: "O Santo Padre recomendou particularmente que a Congregação, continuando na linha desejada por Bento XVI, aja com decisão no que se refere aos casos de abusos sexuais, promovendo acima de tudo as medidas proteção dos menores, a ajuda daqueles que no passado sofreram tais violências, os devidos procedimentos com relação aos culpados, o compromisso das Conferências Episcopais na formulação e implementação das diretrizes necessárias nesse campo tão importante para o testemunho da Igreja e a sua credibilidade".

Nenhum passo atrás, nenhuma diminuição de velocidade, ao contrário. O Papa Bergoglio quis avisar que continuará a ação tomada pelo seu antecessor. Ratzinger, como se lembra, primeiro foi protagonista como cardeal da reviravolta ocorrida em 2002, com João Paulo II, quando o ex-Santo Ofício tomou sobre si a competência sobre os casos de abuso, removendo-os das dioceses, e, depois, a partir de 2005, como papa, com o endurecimento das normas e, especialmente, por exemplo, manifestando a sua proximidade para com as vítimas. Uma linha que não muda com o novo pontífice.

O papa, lê-se por fim na nota, "assegurou que, na sua atenção e na sua oração pelos sofredores, as vítimas de abuso estão presentes de modo particular". Um sinal de proximidade na linha de Bento XVI. É significativo que só esse assunto – dentre os demais assuntos na agenda para a audiência – foi citado no comunidade. É provável que Müller também tenha informado Francisco sobre o delicado dossiê sobre a Fraternidade São Pio X e o processo iniciado com o pontificado ratzingeriano em vista de um retorno à plena comunhão com Roma do grupo tradicionalista fundado por Dom Lefebvre.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Contra o abuso de menores, a luta continua - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV