A pobreza de Cristo não é pauperismo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Brasil. Único país do mundo onde o início da vacinação representou uma derrota política para o presidente da República – Frases do dia

    LER MAIS
  • Um Brasil sufocado e orientado para uma política de morte. Nota do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil - CONIC

    LER MAIS
  • Os gritos silenciosos do meu pai quando voltou do campo de concentração

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Abril 2013

A pobreza e o pauperismo parecem ter se tornado um assunto altamente debatido, desde a eleição do Papa Francisco. Piero Ostellino também falou a respeito no Corriere della Sera, em uma intervenção um pouco inconclusiva, porque não aferra o cerne da questão: o ponto, como já dizia o cardeal Lercaro no Concílio Vaticano II, é que a pobreza é o estilo de Cristo. Não é nem mesmo um meio, como defende um jesuíta que respondeu a Ostellino, mas sim um fato de radicalismo evangélico.

A nota é do cientista político e leigo católico italiano Christian Albini, publicada no blog Sperare per Tutti, 05-04-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Quem o explicou muito bem foi o próprio Bergoglio, na sua intervenção no Sínodo dos Bispos de 2001, que o colocou no centro das atenções da Igreja universal e depois da qual começou-se a falar dele como papável.

Eis a intervenção de Bergoglio.

Um homem de oração

Os padres sinodais acolheram com grande abertura de coração o tema da vida espiritual do bispo. Nesse sentimento, reconhecemos algumas expressões sobre as quais vale a pena deter o pensamento.

Como afirmado há pouco, a força da Igreja é a comunhão; a sua fraqueza é a divisão. O bispo, com essa força, tenta estar disponível para Deus, consciente de ser chamado a ser um homem santo e diligente. Só o bispo que está em comunhão com Deus pode estar a serviço da esperança. Só quando é penetrado na nuvem impenetrável mas luminosa do mistério trinitário, Pai, Filho e Espírito Santo, é que o bispo pode receber de modo mais evidente os sinais do seu ser, na Igreja, pai, irmão e amigo.

O bispo é chamado a entrar no seu mistério para poder exercer o seu ministério e o seu carisma: daí o seu sentido do martírio. A figura do bispo orante veio à tona várias vezes, apresentando-o como testemunha da oração e da santidade, testemunha do tempo salvífico, tempo de graça. Na celebração da eucaristia, na oração, na reflexão e no silêncio, ele adora e intercede pelo seu povo. Sentindo-se pecador, ele se aproxima com frequência do sacramento da reconciliação; consciente das maravilhas realizadas pelo Senhor na história, ele celebra os louvores cotidianos na liturgia das horas.

Chamados a ser santo

Como foi dito nas muitas intervenções feitas sobre o tema, a santidade do bispo é postulada por próprias razões, que vão além da vocação à santidade na Igreja, da qual tratou todo o capítulo V da constituição dogmática Lumen gentium. O contexto mais claro e imediato, no qual deve ser inserido o tema da santidade do bispo, é oferecido pela sacramentalidade do episcopado.

Em virtude dessa sacramentalidade, a ordenação episcopal não é um simples ato jurídico, mediante o qual é conferida a um presbítero uma jurisdição mais ampla, mas sim uma ação de Cristo que, dando o Espírito do sumo sacerdócio, santifica o ordenando no momento em que recebe o sacramento e que, por si só, exige por si mesmo todas aqueles auxílios de graça de que precisa para o cumprimento da sua missão e das suas tarefas. A consequência é que todo bispo se santifica justamente no e com o exercício do seu ministério.

Como, além disso, no triplex munus conferido ao bispo mediante a ordenação sacramental está incluído o da santificação, também foi salientado que o seu exercício não pode ser limitado à administração dos sacramentos, mas deve incluir toda ação e todo comportamento do bispo, pois também mediante a sua vida ele guia os fiéis à santidade.

Todo bispo deve ser para eles o modelo de uma vida santa e o primeiro mestre e testemunha daquela pedagogia da santidade sobre a qual escreveu João Paulo II na carta apostólica Novo millennio ineunte. Por outro lado, todo bispo, considerando não só toda a história da Igreja, mas também a da própria diocese, encontra-se como que envolvido por uma multidão de testemunhas que marcam o seu caminho.

A vida santa do bispo, em última análise, é um testemunho (martyrion) que, oferecido a Cristo, busca com humildade uma identificação mística com o Bom Pastor, que dá a vida pelas suas ovelhas (cf. Jo 15, 13) e induz a um desejo de assumir as palavras de Jesus: "pro eis ego sanctifico me ipsum" (Jo 17, 19).

A vida de um bispo em cada momento e situação se desdobra sob o olhar do Senhor que abraça a cruz, pois a sua santidade se expressa em duas paixões: a paixão pelo Evangelho de Jesus Cristo e o amor pelo seu povo que precisa da salvação. São paixões que se manifestam na bondade e na mansidão das bem-aventuranças. Paixões que se enraízam na consciência do seu nada, do seu ser pecador que recebeu o dom da graça de ser eleito pela imensa bondade do Pai.

A formação permanente

Estreitamente relacionado com o tema da santidade e da vida espiritual do bispo, ressoou, em muitas intervenções dos padres sinodais, o da sua formação permanente.

Se todos os membros da Igreja precisam dela, como se depreende das exortações apostólicas Christifideles laici, Pastores dabo vobis e Vita consecrata, com maior razão os bispos precisam dela. Entre as razões indicadas, há também a tarefa missionária do bispo, encarregado de lançar uma ponte (pontifex) entre o Evangelho e o mundo.

Mesmo na presença de experiências válidas já promovidas nesse setor com a iniciativa de órgãos da Santa Sé (Congregação para os Bispos, Congregação para a Evangelização dos Povos...), percebe-se a necessidade de esclarecer mais o sentido dessa formação (para que não seja deixada apenas à iniciativa do bispo individual, mas seja encorajada por propostas institucionais de vários tipos também) e os seus objetivos específicos, isto é, em relação com o ministério episcopal.

Como mestre da fé, por exemplo, o bispo precisa de uma formação permanente nos âmbitos da teologia dogmática, moral, pastoral e espiritual.

Pobres pelo Reino

Um dos aspectos mais marcados pelos padres sinodais com relação à santidade do bispo é a sua pobreza.

Homem de coração pobre, ele é imagem de Cristo pobre, imita Cristo pobre, sendo pobre com um discernimento profundo. A sua simplicidade e austeridade de vida lhe conferem uma completa liberdade em Deus. O Santo Padre nos convidava a fazer um exame de consciência "sobre a nossa atitude com relação aos bens terrenos e acerca do uso que deles se faz (…), para verificar em que ponto está na Igreja a conversão pessoal e comunitária a uma efetiva pobreza evangélica (...), a ser pobres a serviço do Evangelho" (João Paulo II, Homilia por ocasião da missa de abertura da X Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos).

Com estas últimas expressões, João Paulo II nos recorda que se trata de buscar aquele radicalismo evangélico pelo qual bem-aventurado é quem se faz pobre em vista do Reino, para se colocar no seguimento de Jesus-pobre, para viver na comunhão com os irmãos segundo o modelo da apostolica vivendi forma, testemunhada no livro dos Atos dos Apóstolos. (...)

12 de outubro de 2001

Jorge Mario Cardeal Bergoglio,
Relator Geral Adjunto

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A pobreza de Cristo não é pauperismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV