Reserva do Taim, no Rio Grande do Sul, em chamas

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Março 2013

A salvação contra o incêndio que consome a reserva do Taim desde terça-feira, no sul do Estado, terá de vir literalmente do céu: pela chuva ou por aviões que despejam água em repetidas tentativas de apagar as chamas. Até o final da tarde de ontem, o fogo já havia atingido cerca de 700 hectares – o equivalente a 648 campos de futebol com as dimensões máximas permitidas. O risco de a área atingida aumentar é grande, já que não há como chegar ao local por via aquática ou terrestre.

A reportagem é de Júlia Otero e Marcelo Gonzatto e publicada pelo jornal Zero Hora, 28-03-2013.

O chefe da Estação Ecológica do Taim, Henrique Ilha, afirma que não é possível enviar equipes para a região pelo solo.

"A área atingida é formada de água com vegetação em cima. A água ficaria na altura do pescoço de uma pessoa, ou seja, é impossível deslocar gente. Como tem vegetação em cima, o fogo pega só ali e se espalha", explica Ilha.

Uma das opções seria combater o fogo com barcos desde um canal próximo, mas o foco do incêndio está distante 1,2 quilômetro da água, o que inviabiliza a operação. Estão sendo usados dois aviões agrícolas de voluntários para combater o fogo. O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela reserva, contribui com o combustível para realizar 10 voos por hora. Em cada descida, abastecem o avião com 600 litros de água de uma barragem improvisada em uma fazenda. A expectativa para hoje é de que cheguem dois aviões do ICMBio com capacidade de 2 mil litros cada.

O fogo começou a ser enfrentado apenas ontem porque, no primeiro dia, os responsáveis não conseguiram chegar à área por terra ou água. O tamanho da área prejudicada está sendo monitorado por satélite e sobrevoos com ajuda de um helicóptero.

"Como não é época de reprodução das aves, os mais atingidos são os pequenos animais como cobras, sapos e ratos, que não têm tanta possibilidade de movimento", informa Ilha.

Ele ainda destaca que, para o fogo ser debelado, o ideal seria chover ou esfriar bastante à noite. Apesar dos 700 hectares estarem queimados, nem todos seguem em chamas, já em alguns locais a água e a umidade do ambiente apagaram o fogo. O biólogo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) David Marques afirma que ainda não há como fazer uma estimativa precisa dos danos ambientais. Mas ele acredita que, entre a fauna, as vítimas sob maior risco são pequenos animais. A vegetação formada em grande parte por um tipo de palha, seria capaz de se recuperar rapidamente.

"O fogo não mata o caule subterrâneo. Em um mês, é possível ver o verde de novo", afirma Marques.

O biólogo afirma que a vegetação das áreas alagadas favorece incêndios mesmo fora de períodos de seca, como agora. A meteorologista Maria Angélica Cardoso, do Centro Estadual de Meteorologia, informa que choveu 46 milímetros no Chuí e 49 milímetros em Santa Vitória do Palmar entre o começo do mês e o dia 26. As chamas se propagam porque, apesar da presença de água junto ao solo, as folhas secas acima dela são suscetíveis ao fogo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Reserva do Taim, no Rio Grande do Sul, em chamas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV