Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Comissão da Verdade gaúcha discute início da Operação Condor

Audiência pública da Comissão Estadual da Verdade do Rio Grande do Sul vai trazer a público informações sobre a onda de repressão desencadeada em Porto Alegre entre 1970 e 1973, com deslocamento de agentes de outras partes do País para a capital gaúcha. Também serão debatidas as ações da Operação Condor, sistema de colaboração entre os regimes ditatoriais do Cone Sul para prender perseguidos fora de seus países.

A reportagem é de Elder Ogliari e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 17-03-2013.

Dados compilados pelo colegiado indicam que mais de 300 pessoas foram presas naquele período, dos quais 70 eram militantes de organizações de oposição ao regime militar, segundo o defensor público Carlos Frederico Barcellos Guazzelli, coordenador da comissão gaúcha.

Alguns daqueles presos e parentes de desaparecidos vão dar depoimentos durante o painel "Graves Violações de Direitos Humanos". Foram convidadas 12 pessoas que já relataram ou vão relatar suas histórias à comissão. Entre elas estão Carlos Araújo, ex-marido da presidente Dilma Rousseff, Paulo de Tarso Carneiro, Raul Ellwanger e Ubiratan de Souza, todos presos políticos, e Suzana Lisboa, cujo marido, Luiz Eurico Tejera Lisboa, desapareceu em 1972.

Militante do Partido Operário Comunista (POC), Ignez Maria Serpa Ramminger deve resumir o depoimento que já deu sobre o período em que esteve presa, entre 1970 e 1971, que levou a comissão a concluir que as mulheres foram vítimas de sessões específicas de tortura. "Ficou claro que existia uma tortura clara e brutal contra as mulheres na questão sexual", afirma Guazzelli.

Condor

No painel da audiência pública sobre a Operação Condor, o presidente do conselho diretivo do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke, vai sustentar que a aliança dos regimes do Cone Sul teve origem no Brasil. Krischke já levou à Comissão Nacional da Verdade essa informação, baseada em documentos e depoimentos obtidos pelo próprio movimento.

Um desses papéis é um informe reservado do Exército, de 19 de dezembro de 1970, que narra a prisão do ex-tenente-coronel brasileiro Jefferson Cardim de Alencar Osório, de um filho e de um sobrinho dele no porto de Buenos Aires, em operação de colaboração entre autoridades brasileiras e argentinas. Pai e filho foram enviados ao Brasil e o sobrinho, ao Uruguai. Osório se opunha ao regime militar.

A audiência da comissão gaúcha também terá um bloco específico de debate sobre a morte do ex-presidente João Goulart, ainda hoje motivo de controvérsias.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"A Igreja não pode ser ao mesmo tempo santa e pecadora. Algo não pode ser e não ser. A Igreja é S..." Em resposta a: Como se faz um bispo
"Muito bom este artigo. Pensei que estava só divagando sobre esse tema, mas vejo que não. Parabéns..." Em resposta a: A banalização da vida animal na era das selfies
"O exército não tem culpa,pois foi o comitê olímpico que colocou o exército nesta "saia justa". ..." Em resposta a: Após abate de onça, ONG Pata quer processar o Comando Militar da Amazônia

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium