''Ratzinger será um pontífice-sombra. Haverá a possibilidade de ingerências perigosas''. Entrevista com Hans Küng

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Desmonte do SUS: decreto anuncia privatização da atenção básica em retrocesso histórico

    LER MAIS
  • O Papa, os Gays e o Ídolo da Doutrina Imutável

    LER MAIS
  • Ser humano e inteligência artificial: os próximos desafios do onlife. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Fevereiro 2013

O teólogo Hans Küng sempre foi muito duro contra o pontificado de Joseph Ratzinger, mas depois da última audiência do Papa Bento XVI, ele ficou igualmente desiludido. Ele não esperava que o papa renunciante decidisse permanecer no Vaticano exercendo a sua influência. Um caso que não tem precedentes.

A reportagem é de Stefano Baldolini, publicada no sítio HuffPost.it, 27-02-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Dois papas no Vaticano?


Que fique claro, eu não tenho nada contra Joseph Ratzinger. Desejo a ele todo o bem possível. Não tenho nada contra uma vida bela, em um lugar para repousar. Temos a mesma idade... Inicialmente, eu pensei: foi uma boa decisão se retirar em um convento para rezar. Mas agora se vê que não era esse projeto. Ao invés, é muito perigoso ter um ex-papa que vive no próprio Vaticano. Que não vive em um mosteiro. Que não vive com monges, mas com freiras que estavam a seu serviço no Vaticano como papa. Ele terá o mesmo secretário, o padre Georg. Ele quer ter contato com os cardeais, com o novo papa. Tenho medo de um "papa-sombra" no Vaticano. Agora, isto me parece confirmado: ele certamente tem interesse de que a sua linha se prolongue, senão não teria feito assim.

O que poderia acontecer?

Isso não é ir ao monte para rezar: mas sim ter a possibilidade de intervenções contínuas. É uma situação perigosa. Eu vejo muitos conflitos. Eu vivo perto do Lago de Constança, onde tivemos o concílio do cisma do Ocidente, com até três papas. Era o século XV. A situação é obviamente diferente... Mas se, por exemplo, o futuro papa disser: é necessário discutir o celibato dos padres, como o atual cardeal da Escócia propôs, quem não quiser isso, se dirigirá ao antigo papa. Além disso, é preciso levar em conta a divisão da Cúria Romana e da Igreja inteira. Por exemplo, João XXIII, com esse sistema, não poderia ter convocado o Concílio.

O senhor vê uma forma de ingerência?

Ingerência secreta, não controlável. Ratzinger diz: "Eu estou fora, mas estou no coração do Vaticano". Em suma, não está certo. Certamente, ele não terá comunicações oficiais, mas sim infinitas conversas privadas. Como é possível, por exemplo, que o padre George Gänswein, o mesmo secretário do antigo papa, também seja prefeito da Casa Pontifícia? Com controle sobre a antessala, decisões sobre as audiências. Configura-se uma comunicação contínua entre palácio pontifício e antigo papa. Isso está sendo preparado há muito tempo. É parte de uma estratégia clara. Basta pensar na nomeação de um secretário como arcebispo (em dezembro passado). Na Cúria definiram tudo isso de "novo nepotismo". Ou há o prefeito do Santo Ofício, amigo e discípulo de Ratzinger, bispo de Regensburg. Menos aceito na Alemanha entre os bispos...

Podem ser mudadas essas nomeações?

No conclave, isso será discutido, e a direita poderia dizer: nós não queremos alguém que mude tudo.

"Quem assume o ministério petrino não tem mais nenhuma privacidade – disse Bento XVI nessa quarta-feira – pertence sempre a todos, a toda a Igreja". Como teólogo, é sustentável um "papa para sempre"?

Como teólogo, posso dizer que o ministério petrino, introduzido na Idade Média, não é um sacramento. Alguém pode ser ordenado sacerdote, pode ser ordenado bispo, permanece sacerdote para sempre. Mas o papa não. Não há uma ordenação para ser papa. Não há sacramento.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Ratzinger será um pontífice-sombra. Haverá a possibilidade de ingerências perigosas''. Entrevista com Hans Küng - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV