FAO quer promover agrofloresta para combater fome e pobreza

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 08 Fevereiro 2013

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) afirmou nesta terça-feira (5) que milhões de pessoas em todo o mundo podem escapar da fome, da pobreza e da degradação ambiental. Segundo a FAO, isso será possível se os países se esforçarem para promover a agrofloresta, um sistema que une árvores, plantações e a criação de animais.

A reportagem é de Edgard Júnior e publicada pelo Instituto CarbonoBrasil, 07-02-2013, a partir de informações da Rádio ONU.

Commodities

A agência da ONU informou que o setor agroflorestal serve de fonte para vários tipos de commodities, que incluem madeira, frutas e carnes até café e borracha. No novo relatório, a FAO mostra como a agrofloresta pode ser integrada na estratégia nacional dos governos e como as políticas podem ser ajustadas para condições específicas.

Oportunidades

O setor está apresentando novas oportunidades, como por exemplo, o miombo, área de florestas que cobre 3 milhões de quilômetros quadrados em 11 países do centro, leste e oeste da África. Aproximadamente 100 milhões de pessoas que vivem nessa região, incluindo Angola e Moçambique, poderiam ser beneficiadas com a iniciativa.

Incentivos

Segundo a FAO, os agricultores que plantarem árvores em suas terras devem ser recompensados financeiramente por serviços ao ecossistema. Esses incentivos podem ser em forma de doações, redução de impostos, ajuda em crédito ou no desenvolvimento de infraestrutura.

O relatório mostra que a Costa Rica serve de modelo do agrofloresta. O país criou uma lei, em 1996, que estabeleceu um fundo de financiamento florestal. Esse fundo combina investimentos em plantações, árvores e criação de gado.

Nos últimos oito anos, mais de 10 mil contratos foram concedidos a vários  sistemas de agroflorestas, que resultaram no plantio de mais de 3,5 milhões de árvores em fazendas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

FAO quer promover agrofloresta para combater fome e pobreza - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV