''Por muitos'': uma mudança que poderia criar confusão junto aos mais simples

Revista ihu on-line

Sociabilidade 2.0 Relações humanas nas redes digitais

Edição: 502

Leia mais

O Holocausto no cinema. Algumas aproximações

Edição: 501

Leia mais

Biomas brasileiros e a teia da vida

Edição: 500

Leia mais

Mais Lidos

  • Igrejas vazias: sinal que a hierarquia não quer ver. Artigo de Alberto Melloni

    LER MAIS
  • Amoris laetitia, Medjugorje, Islã e teologia da libertação: “O papa não mudou a Revelação”

    LER MAIS
  • Ratzinger e os “ratzingerianos”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

22 Janeiro 2013

Se a mudança não é indispensável, por que criar problemas? É melhor que tudo permaneça como antes e que não sejam mudadas as grandes palavras que proclamam que o sangue de Cristo foi "derramado por todos".

A opinião é de Severino Dianich, teólogo italiano e vigário-episcopal de Pisa para a Pastoral da Cultura e da Universidade, em artigo publicado no jornal dos bispos italianos, Avvenire, 19-01-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Sobre o projeto para modificar na nova edição do Missal em italiano as palavras da consagração eucarística, mudando aquele "derramado por todos" pela expressão "por muitos", desenvolve-se um fecundo debate.

Ninguém contestou, como se fosse incorreta ou desviante da fé da Igreja, a velha fórmula "por todos". Ao mesmo tempo, a ninguém escapou o perigo de que a fórmula "por muitos", da forma como soa em italiano, possa levar a pensar que a salvação de Cristo seja destinada a muitos, mas não a todos. No debate, também se propôs que se dissesse "pela multidão", tradução também reconhecida por todos como correta.

Neste ponto, pergunto-me se – dado que um exame atento e douto tão aprofundado deixa em aberto a questão, do ponto de vista da exegese bíblica e da fidelidade dogmática, sobre todas as três soluções – não é justo se preocupar com uma coisa só, ou seja, com uma eventual mudança para os fiéis, sobretudo para os menos doutos, para os mais pobres, para aqueles que acolhem as coisas mais com a sensibilidade do que com o raciocínio, que inevitavelmente permaneceriam perturbados com a mudança.

Se ela não é indispensável, por que criar problemas? Diversos bispos captaram muito bem a questão pastoral, propondo com bom senso que tudo permaneça como antes e que não sejam mudadas as grandes palavras, que há 40 anos ressoam nas nossas igrejas, proclamando que o sangue de Cristo foi "derramado por todos".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - ''Por muitos'': uma mudança que poderia criar confusão junto aos mais simples